Musica Italiana

Palomma 'e notte

( Canta: Peppino Di Capri )
( Autores: Di Giacomo - Buongiovanni - 1906 )

Original em dialeto napolitano Tradução

Tiene a mente 'sta palomma,
comme gira, comm'avota,
comme torna n'ata vota
stu ceròggeno a tentá.

Palummè', chist'è nu lume,
nun è rosa o giesummino,
e tu, a forza ccá vicino
te vuó' mettere a vulá.

Vatténn''a lloco!
Vatténne, pazzarella.
Va' palummella e torna,
e torna a st'aria accussí fresca e bella.

'O bbi' ca i' pure
mm'abbaglio chianu chiano,
e che mm'abbrucio 'a mano
pe' te ne vulé cacciá.

Carulí', pe' nu capriccio
tu vuó' fá scuntento a n'ato,
e po' quanno ll'hê lassato,
tu, addu n'ato vuó' vulá.

Troppi core staje strignenno
cu sti mmane piccerelle,
ma fernisce ca sti scelle
pure tu te puó' abbruciá.

Vatténn''a lloco!
Vatténne, pazzarella.
Va', palummella e torna,
e torna a st'aria accussí fresca e bella.

'O bbi' ca i' pure
mm'abbaglio chianu chiano,
e che mm'abbrucio 'a mano
pe' te ne vulé cacciá.

Torna, va', palomma 'e notte,
dint'a ll'ombra addó' si' nata.
Torna a st'aria 'mbarzamata
ca te sape cunzulá.

Dint''o scuro e pe' me sulo
'sta cannela arde e se struje,
ma ch'ardesse a tutt'e duje
nun 'o ppòzzo suppurtá.

Vatténn''a lloco!
Vatténne, pazzarella.
Va', palummella e torna,
e torna a st'aria accussí fresca e bella.

'O bbi' ca i' pure
mm'abbaglio chianu chiano,
e che mm'abbrucio 'a mano
pe' te ne vulé cacciá.


Observa bem esta borboleta,
como gira, como se afasta,
como volta uma outra vez
a tentar esta vela.

Borboletinha, este é um lume,
não é rosa ou jasmim,
e tu, mesmo aqui perto
queres voar.

Vai embora!
Vai embora, louquinha.
Vai  borboletinha e volta,
e volta para este ar assim fresco e belo.

Vê que eu também
me engano as vezes,
e me queimo a mão
por querer te afugentar.

Carolina, por um capricho
tu queres tornar infeliz um outro,
e depois de deixá-lo,
tu, para um outro quer voar.

Demais corações estás agarrando
com estas mãos pequeninhas,
mas vai acabar que estas asas
também tu podes ter queimadas.

Vai embora!
Vai embora, louquinha.
Vai  borboletinha e volta,
e volta para este ar assim fresco e belo.

Vê que eu também
me engano as vezes,
e me queimo a mão
por querer te afugentar.

Volta, vai, borboleta da noite,
na sombra onde nascestes.
Volta para este ar embalsamado
que sabe te consolar.

No escuro e para mim sozinho
esta vela queima e se consome,
mas que queimasse para nos dois
não consigo suportar.

Vai embora!
Vai embora, louquinha.
Vai  borboletinha e volta,
e volta para este ar assim fresco e belo.

Vê que eu também
me engano as vezes,
e me queimo a mão
por querer te afugentar.