Musica Italiana

Vurria

( Canta: Mario Merola )
( Autores: Pugliese - Rendine - 1958 )

Original em dialeto napolitano Tradução

Dint'a na casarella fredda e scura,
addó' na vota 'n ce traseva 'o sole,
mo stóngo io sulo e tengo na paura
ch'a poco a poco mme cunzuma 'o core.
Paura ca mme struje 'sta malatia
senza vedé cchiù Napule,
senza vedé cchiù a te.

Vurría turná addu te,
pe' n'ora sola,
Napule mia,
pe' te sentí 'e cantá
cu mille manduline.

Vurría turná addu te
comm'a na vota,
ammore mio,
pe' te puté vasá,
pe' mme sentí abbracciá.

'Sta freva
ca nun mme lassa maje!
'Sta freva
nun mme fa cchiù campá.


Vurría turná addu te
pe' n'ora sola,
Napule mia,
vurría...vurría...vurría,
ma stóngo 'ncróce!

'Sta freva
ca nun mme lassa maje!
'sta freva
nun mme fa cchiù campá.


Vurría turná addu te
pe' n'ora sola,
Napule mia,
vurría...vurría...vurría,
Napule mia.


Dentro de uma casinha fria e escura,
onde quase nunca entrava o sol,
agora estou sozinho e sinto um medo
que pouco a pouco me consome o coração.
Medo que me mate esta doença
sem poder ver mais Nápoles,
sem poder ver mais você.

Queria voltar para ti,
só por uma hora,
Nápoles minha,
para te ouvir cantar
com mil bandolins.

Queria voltar para ti
como uma vez,
amor meu,
para poder te beijar,
para me sentir abraçar.

Esta febre
que não me deixa nunca!
Esta febre
não me deixa mais viver.

Queria voltar para ti,
só por uma hora,
Nápoles minha,
queria...queria...queria,
mas estou na cruz!

Esta febre
que não me deixa nunca!
Esta febre
não me deixa mais viver.

Queria voltar para ti,
só por uma hora,
Nápoles minha,
queria...queria...queria,
Nápoles minha.