Musica Italiana

Vojo er canto de 'na canzone

( Cantam: I Vianella )
( Autor: Amedeo Minghi - 1973 )

Original em meio dialeto romanesco Tradução

Da quanno esiste er monno ce sta l'amore,
da quanno canta er gallo l'amore c'è,
perciò me basta solo che tu me guardi
e c'ho ner petto er core che me vo' scoppia'.

Vojo er canto de 'na canzone che me fa così,
Blam, Blam, Blam, Blam.
Vojo er sono de 'na chitara che me fa così,
e poi vado pe' la strada e canto e nun m'emporta niente
se tutta la gente me se mette a guarda'. Embè!

Questo è er canto de 'na canzone dedicata a te,
Blam, Blam, Blam, Blam.
Questo è er canto della mia vita dedicata a te,
tu m'hai dato tutto er core senza chiede in cambio niente,
tu sei veramente tutto quello che c'ho.

Mo che finisce er tempo dell'amore,
soltanto 'sto pensiero me resterà.
Forse c'avrò l'argento sopra i capelli,
ma drento ar petto er core me vorà canta'.

Vojo er vino de 'na bottia che me fa canta',
Blam, Blam, Blam, Blam.
Vojo er sole de n'antra estate pe pote' scorda'
che la vita, la mia vita in fonno nun m'ha dato niente,
che c'ho solamente sto pensiero de te. Embè!

Vojo er canto de 'na canzone che me fa così,
Blam, Blam, Blam, Blam.
Vojo er sono de 'na chitara che me fa così,
e poi vado pe' la strada e canto e nun m'emporta niente
se tutta la gente me se mette a guarda'.


Desde quando existe o mundo, há o amor,
desde quando canta o galo, há o amor,
por isso me basta somente que tu olhas pra mim
que tenho no peito o coração que quer explodir.

Quero o canto de uma canção que me faz assim,
Blam, Blam, Blam, Blam.
Quero o som de uma guitarra que me faz assim,
e depois vou pela rua e canto e não me importa nada
se todas as pessoas param olhando pra mim. Então!

Este é o canto de uma canção dedicada a ti,
Blam, Blam, Blam, Blam.
Este é o canto da minha vida dedicada a ti,
tu me deste todo o coração sem pedir nada em troca,
tu és de verdade tudo aquilo que tenho.

Agora que termina o tempo do amor,
somente este pensamento me sobrará.
Talvez terei a prata sobre os cabelos,
ma dentro do peito o coração vai querer cantar.

Quero o vinho de uma garrafa que me faz cantar,
Blam, Blam, Blam, Blam.
Quero o sol de outro verão para poder esquecer
que a vida, a minha vida no fundo não me deu nada,
que tenho somente esta recordação de ti. Então!

Quero o canto de uma canção que me faz assim,
Blam, Blam, Blam, Blam.
Quero o som de uma guitarra que me faz assim,
e depois vou pela rua e canto e não me importa nada
se todas as pessoas param olhando pra mim.