Musica Italiana

Vesti la giubba

( Canta: O Tenor Luciano Pavarotti )
( Da opera "I Pagliacci" de Ruggero Leoncavallo - 1892 )
( Libretto do mesmo: Ruggero Leocavallo )

A ação se desenvolve em Montalto na Calábria, no dia da festa de Meio-agosto no ano de 1865. Na praça da cidadezinha chega uma pitoresca companhia de atores que representará o espetáculo "Pagliaccio". A companhia é formada por Canio, chefe-cômico, Nedda, a sua jovem esposa, e por outros dois atores, Peppe e o deforme Tonio. Enquanto os camponeses alegres que chegaram de todos os cantos, circundavam a carreta que transporta a companhia, Canio, batendo num tambor, anuncia que o espetáculo aconteceria às 23:00 horas. Nedda no entanto é preocupada, inquieta, porque ama secretamente Silvio, um jovem do lugar que a convence a fugir com ele durante a noite, depois de terminar o espetáculo. Mas Tonio escutou tudo escondido e corre a avisar Canio que logo chega, mas Silvio consegue fugir. Canio enfrenta Nedda e, com a ameaça de uma faca, lhe ordena de revelar o nome do amante. Nedda recusa, Canio está no ponto de matá-la, mas Peppe consegue bloquea-lo, o acalma, e o convence a preparar-se visto que o publico está para chegar e o espetáculo deve começar. Os comediantes entram no teatrinho, e Canio está arrasado pensando que deverá fazer rir o publico num momento em que se encontra no mais profundo desespero. O publico, inclusive Silvio, começa a chegar para assistir à representação. Nedda, com os vestidos de Colombina, gira entre o publico com o prato para receber o preço das cadeiras. Se aproxima também de Silvio e lhe renova o empenho pela fuga. Finalmente se levanta a tela. A comedia representará exatamente quanto aconteceu realmente na primeira parte da Opera. Colombina (Nedda) passeia nervosamente pois está esperando o amante Arlecchino (Peppe). Ouve que ele canta uma tenra serenata, mas não pode permitir que entre até ter certeza que o esposo Pagliaccio (Canio) esteja bem longe. Assim que ela soube que Pagliaccio estava longe, fez entrar Arlecchino. Os dois amantes sentam na mesa e ele propõe de fugir juntos. De improviso chega Taddeo anunciando aos gritos que Pagliaccio está voltando e está cheio de raiva. Depois se esconde enquanto o publico se diverte e ri. Arlecchino foje pela janela. Pagliaccio entra furioso, agride Colombina perguntando o nome do amante. Canio, a essa altura enlouquecido pelo ciúme que realmente sente, esquece a ficção da comedia e ameaça de matar Nedda com uma faca se não revela o nome do amante. O publico é fascinado pela recitação particularmente realística, mas Silvio suspeita que não se trate de ficção e tenta subir no palco na hora que Canio golpeia Nedda a morte apesar das suas tentativas de fugir. Nedda encontra forças para pedir ajuda a Silvio, mas Canio, que agora entendeu quem é o amante da esposa, o golpeia no coração. Alguns espectadores sobem imediatamente no palco e bloqueiam Canio, enquanto Tonio, cinicamente, exclama para o publico apavorado: "A comedia acabou."

Original em italiano Tradução

Recitar,
mentre preso dal delirio
non so piu quel che dico
e quel che faccio.

Eppure è d'uopo. Sforzati! Va!
Sei tu forse un uomo?
Ah! ah! ah! ah! ah!
Tu sei Pagliaccio.

Vesti la giubba
e la faccia infarina.
La gente paga
e rider vuole quà.

E se Arlecchino
t'invola Colombina,
ridi Pagliaccio
e ognun applaudirà.

Tramuta in lazzi
lo spasmo ed il pianto,
in una smorfia il singhiozzo
e il dolor.

Ah! Ridi Pagliaccio,
sul tuo amore infranto.
Ridi del duol
che t'avvelena il cor!


Recitar,
enquanto tomado pelo delírio
não sei mais aquilo que digo
e aquilo que faço.

Todavia é necessário. Esforça-te! Vai!
És tu talvez um homem?
Ah! ah! ah! ah! ah!
Tu és Palhaço.

Veste o casaco
e a cara enfarinha.
O povo paga
e quer rir aqui.

E se Arlequim
te rouba a Colombina,
ri Palhaço
e cada um aplaudirá.

Muda em piadas
o espasmo e o choro,
numa careta o soluço
e a dor.

Ah! Ri Palhaço,
sobre o teu amor partido.
Ri da dor
que te envenena o coração!