Musica Italiana

Uocchie c'arraggiunate

( Canta: Pina Cipriani )
( Autores: A. Falcone - Fieni - R. Falvo - 1904 )

Não tenho palavras para agradecer devidamente o Maestro Egidio Mastrominico (filho da grandíssima cantora Pina Cipriani) violinista e diretor do Teatro San Carluccio de Nápoles, por ter-me gentilmente enviado esta belíssima interpretação da sua querida mãe autorizando a relativa publicação neste site.

Original em dialeto napolitano Tradução

St'uocchie ca tiene belle,
lucente ccchiù d''e stelle,
sò' nire cchiù d''o nniro
só' comm'a duje suspire.

Ogne suspiro coce,
ma tene 'o ffuoco doce,
e, comme trase 'mpietto,
nun mme dá cchiù arricietto.

E chi ve pò scurdá,
uocchie c'arraggiunate
senza parlá,
senza parlá!

A me guardate sí,
e státeve nu poco
comme dich' i', comme vogl' i',
comme cca si'.

Sò belle e cchiù splennente
'e ll'ebano lucente,
comm'a na seta fina
só' ll'uocchie 'e Cuncettina.

Sempe ca 'a ttèngo mente,
nce trovo sentimente
pecché nce sta nu vezzo,
ca i' guardo e ll'accarezzo.

E chi ve pò scurdá,
uocchie c'arraggiunate
senza parlá,
senza parlá!

A me guardate sí,
e státeve nu poco
comme dich' i', comme vogl' i',
comme cca si'.


Estes olhos que tem, belos,
brilhantes mais que as estrelas,
são pretos mais do que o preto,
são como dois suspiros.

Cada suspiro queima,
mas seu fogo é doce,
e, assim que entra no peito,
não me dá mais paz.

E quem pode esquecer-vos,
olhos que conversais
sem falar,
sem falar!

Olhai pra mim, sim,
e ficai um pouco
como digo eu, como quero eu,
como sois.

São belos e mais esplendentes
do ébano luzente,
como uma seda fina
são os olhos de Concettina.

Sempre que eles me vêm a mente,
neles encontro sentimentos
pois possuem um vezo
que eu olho e acaricio.

E quem pode esquecer-vos,
olhos que conversais
sem falar,
sem falar!

Olhai pra mim, sim,
e ficai um pouco
como digo eu, como quero eu,
como sois.