Musica Italiana

Un milanese a Milano

( Canta: Walter Valdi )
( Autor: Walter Valdi - 1972 )
( Sinal dos novos tempos )

Original em dialeto milans Traduo

T'hee sentii 'se gh' success?
Una cosa straordinaria!
L'hoo savuda propi adess,
l'hann trovaa col nas per aria.
L'era l in Piazza del Domm
ch'el saveva p 'se f,
el girava 'me on poer omm,
ma el saveva n in dove and.

T'hee sentii 'se l' success?
Una cosa eccezionale!
Me par vera nhanca adess.
Gh' 'rivaa el Telegiornale!
Gh' vegnuu gi i giornalista
per cerc de fall parl.
Gli hanno fatto l'intervista,
ma gh' sta nagott de f.

Ma a la fin se p sav
'se gh' success,
porco d'on can?
Han trovato un milanese
ch a Milan!
Ma va!
Han trovato un milanese
ch a Milan!

L el cercava de parl,
ma nessuno lo capiva.
Dopo on poo l'han lassaa st,
eh s perch se n impazziva.
Gh'era tutt pien de baresi,
piemontesi e sicilian,
e se n eren genovesi,
calabresi o venezian!

Gh'era finna uno Zul
e vun de la Polinesia.
Dello Zambia eren in duu,
gh'era vun de la Rodesia.
Gh'era chi parlava il turco,
chi parlava l'australian,
ma nessuno che parlasse
il dialetto de Milan!

Eh per forza!
Chi el podeva sospettaa,
porco d'on can,
di trovare un milanese
ch a Milan!
Oh gi!
Di trovare un milanese
ch a Milan!

Forse el metten in un d'on "stand"
alla Fiera Campionaria.
Forse el metten al Museo,
el metten l col nas per aria.
Forse el metten in riserva
come se f cont i indian,
come fosse un pellerossa
invece che vun de Milan.

Forse, invece, el mettarann
ai Giardini in, d'ona gabbia,
insc poeu tutti andarann
a vedell s'ciopp de rabbia.
A ved com' ch'el mangia,
se ghe pias la carna o el pess,
se el st l come on pantula
o l' viscor de rifless.

Insc almen
se podar vegn a sav,
porco d'on can,
com' fatto
un milanese de Milan!
Oh s!
Come fatto
un milanese de Milan!

N, l' minga vera, era uno scherzo.
Di milanesi ce n' ancora.
Eh, per esempio, c' il Sindaco.
No, quello no perch ele vem de.....
C' il Sovrintendente alla Scala,
il Capo dei Ghisa.
No, neanche quelli l,
perch vun el ven de.....
e quell'alter el ven da.....


D'altronde Milano una metropoli.
Dunque giusto cos,
c' gente che v, gente che viene.
Certo che se andiamo avanti ancora un po',
va a finire che per davvero,
ai Giardini Pubblici, on d a l'alter,
fann su on alter recinto
e me metten la con su um cartell:
"Homo milanensis!"


E intorna tutt'i alter a rid.
E a vialter, ona volta o l'altra,
ve vegnar dedree,
ch'el ve piccar su la spalla
e poeu el ve disar
:
T'hee sentii 'se l' success?
Una cosa straordinaria!
L'hoo savuda propi adess,
l'hann trovaa col nas per aria.

Ma a la fin se p sav
'se gh' success,
porco d'on can?
Han trovato un milanese
ch a Milan!
Ma va!
Han trovato un milanese
ch a Milan!


Voc ouviu o que aconteceu?
Uma coisa extraordinria!
Eu soube disso exatamente agora,
o encontraram com o nariz para o ar.
Estava l, na Praa da Catedral
que no sabia mais o que fazer,
rodava como um pobre homem,
e no sabia para onde ir.

Voc ouviu o que aconteceu?
Uma coisa excepcional!
No me parece verdade nem agora.
Chegou o Jornal Nacional!
Veio um jornalista
para fazer com que ele falasse.
Lhe fizeram uma entrevista,
mas no conseguiram nadinha.

Mas no final se pode saber
o que aconteceu,
porco de um co?
Encontraram um milans
aqui em Milo!
Mas vai!
Encontraram um milans
aqui em Milo!

Ele tentava de falar,
mas ningum o entendia.
Depois de um pouco o deixaram em paz,
eh sim porque do contrario ele enlouquecia.
Era tudo cheio de bareses,
piemonteses e sicilianos,
ou eram genoveses,
calabreses ou venezianos!

Havia at um Zulu
e um da Polinsia.
Do Zmbia eram em dois,
havia um da Rhodesia.
Havia um que falava o turco,
quem falava o australiano,
mas ningum que falasse
o dialeto de Milo!

Eh por fora!
Quem podia suspeitar,
porco de um co,
de encontrar um milans
aqui em Milo!
Oh j!
De encontrar um milans
aqui em Milo!

Talvez o colocam numa sala de exposio
na Feira de Milo.
Talvez o colocam no Museu,
o colocam l com o nariz para o ar.
Talvez o colocam numa reserva
como se faz com os indgenas,
como se fosse um pele vermelha
invs de um de Milo.

Talvez, ao contrrio, o colocaro
nos Jardins, numa gaiola,
assim depois todos iro
a ver ele que explode pela raiva.
A ver como ele come,
se gosta de carne ou de peixe,
se fica a como um desajeitado
ou se tem os reflexos prontos.

Assim, pelo menos
si poder saber,
porco de um co,
como e feito
um milans de Milo!
Oh sim!
Como e feito
um milans de Milo!

No verdade, era uma brincadeira.
Existem ainda os milaneses.
Eh, por exemplo, h o Prefeito.
No, aquele no porque ele vem de.....
H o Diretor Geral do Teatro La Scala,
o Chefe dos Guardas Municipais.
No, nem esses a,
porque um vem de.....
e aquele outro vem de.....

Por outro lado Milo uma metrpole.
Portanto e justo assim,
h gente que vai, gente que vem.
Certo que se continua assim ainda um pouco,
vai acabar que de verdade,
nos Jardins Pblicos, um dia ou outro,
vo construir outra cerca
e o colocam l com um cartaz:
"Homo milanensis!"

E em volta todos os outros a rir.
E pra vocs, um vez ou outra,
ele vai aparecer na suas costas,
vos bater no ombro
e depois vos dir
:
Voc ouviu o que aconteceu?
Uma coisa extraordinria!
Eu soube disso exatamente agora,
o encontraram com o nariz para o ar.

Mas no final se pode saber
o que aconteceu,
porco de um co?
Encontraram um milans
aqui em Milo!
Mas vai!
Encontraram um milans
aqui em Milo!