Musica Italiana

Teresa, non sparare

( Canta: Fred Buscaglione )
( Autores: L. Chiosso - F. Buscaglione - 1956 )

Original em italiano Tradução

Giornali!!
Il Messaggero, l'Unità,
La Stampa, il Corriere della Sera,
La Notte, La Gazzetta del Popolo,
Il Ventesimo Secolo e poi
il Resto del Carlino.

Giornale video.
Casal Pusterlengo, 24 sera.
La casalinga Teresa U, accortasi
che il marito Properzio H la tradiva
con una certa amica, Veronica S,
lo accoglieva al suo rientro
col fucile spianato minacciandolo di morte.
Da testimonianze finora raccolte
risulta che il marito infedele
si giustificava pressapoco così:

Teresa, ti prego,
non scherzare col fucile.
Per la rabbia, la tua bile
può scoppiar.

Teresa, ti prego,
io non sono certo un vile, ma
se tocchi quel fucile
può sparar.

É stata una follia!
L'hò incontrata per la via,
disse: "Vieni a casa mia".
Cosa mai potevo far?

Un bacio ha domandato,
te lo giuro, hò rifiutato,
ed abbiamo poi parlato,
pensa un pò, sempre di te.

Vigliacco!

Perciò, Teresa, ti prego,
non scherzare col fucile,
far così non è gentile.
Ma lascia andar!

No, Teresa, dai
non mi sparare, Teresa! Su!

Vigliacco!

É stata una follia!
L'hò incontrata per la via,
disse: "Vieni a casa mia".
Cosa mai potevo far?

Un bacio ha domandato,
te lo giuro, hò rifiutato,
ed abbiamo poi parlato,
pensa un pò, sempre di te.

Vigliacco!

Perciò, Teresa, ti prego,
non scherzare col fucile,
far così non è gentile.
Ma lascia andar!

Teresa, no,
non mi sparare, ahi, ahi!
Teresa mia, ti prego,
non sparar!


Jornais!!
Il Messaggero, l'Unità,
La Stampa, il Corriere della Sera,
La Notte, La Gazzetta del Popolo,
Il Ventesimo Secolo e poi
il Resto del Carlino.

Video Jornal.
Casal Pusterlengo, 24 da noite.
A dona de casa Teresa U, percebendo
que o marido Properzio H a traia
com uma certa amiga, Veronica S,
o recebia na sua chegada em casa
com o fuzil apontado ameaçando-o de morte.
Pelos testemunhos até agora colhidos
resulta que o marido infiel
justificava-se mais ou menos assim:

Teresa, lhe peço,
não brinque com o fuzil.
Pela raiva, a sua bílis
pode estourar.

Teresa, lhe peço,
eu não sou por certo um covarde, mas
se toca naquele fuzil
pode disparar.

Foi uma loucura!
A encontrei pelo caminho,
ela disse: "Vem para minha casa"
O que jamais podia fazer?

Um beijo ela pediu,
lhe juro, recusei,
e depois falamos,
imagine só, sempre de Você.

Velhaco!

Por isso, Teresa, lhe peço,
não brinque com o fuzil,
fazer assim não é gentil.
Mas deixe estar!

Não, Teresa, vai,
não atire, Teresa. Vai!

Velhaco!

Foi uma loucura!
A encontrei pelo caminho,
ela disse: "Vem para minha casa"
O que jamais podia fazer?

Um beijo ela pediu,
lhe juro, recusei,
e depois falamos,
imagine só, sempre de Você.

Velhaco!

Por isso, Teresa, lhe peço,
não brinque com o fuzil,
fazer assim não é gentil.
Mas deixe estar!

Teresa, não,
não atire, ai, ai!
Teresa minha, lhe peço,
não atire!