Musica Italiana

Te c'hanno mai mannato

( Canta: Alberto Sordi )
( Autor: Alberto Sordi - 1964 )

Original em dialeto romanesco Tradução

Ah, ah, ah.....

Me sarò chiesto cento, mille volte,
io che nun so né re, né imperatore,
che ho fatto pe' trovamme 'sta regina,
ner letto, fra le braccia,
in fonno ar core?
E datosi che sei così preziosa
stasera io te vojo di' 'na cosa.


Te c'hanno mai mannato
a quer paese?
Sapessi quanta gente che ce sta!
Er Primo Cittadino è amico mio,
tu dije che te c'ho mannato io.

E va, e va,
va avanti tu
che adesso c'ho da fa'.
Sarai la mia metà
ma si nun parti,
diventi n'artro po'
la mia tre quarti.

E va, e va,
nun poi sape' er piacere che me fa',
magari quarche amico te consola
così tu fai la scarpa e lui te sola.
Io te ce manno, sola,
io te ce manno, sola,
sola, senza de me.

Già che ce so'
me levo st'artro peso,
co' tte, che fai er capoccia
e stai più su.
Te sei allargato troppo,
senti, 'a coso,
mica t'offenni se te do' der tu?


Te c'hanno mai mannato
a quer paese?
Sapessi quanta gente che ce sta!
A tte, te danno la medaja d'oro
e noi te ce mannamo tutti in coro.

E va, e va,
chi va co' la corente e' 'n baccalà,
io so' salmone
e nun me importa niente,
a me, me piace anna'
contro corente.

E va, e va,
che più sei grosso
e più ce devi anna',
e t'aritroverai ner posto giusto
e prima o poi, vedrai,
ce provi gusto.
Solo scherzando, uh sto,
solo cantando, uh sto,
solo a scherza', pardon.

Ma quanno la matina
sto allo specchio,
c'e' un fatto
che me butta giù er morale,
io m'aritrovo sempre
ar gabbinetto
e ma ricanto addosso 'sto finale.


Te c'hanno mai mannato
a quer paese?
Sapessi quanta gente che ce sta!
Cosi' che mm'encoraggio e me consolo
cor fatto de mannammece da solo.

E va, e va,
e si ce devi anna',
ce devi anna'.
Tanto si tt'annisconni
dietro a 'n'vetro,
'na mano c'hai davanti
e n'artra dietro

E va, e va,
è inutile che stamo a litiga',
tenemose abbracciati, stretti stretti,
che tanto prima o poi c'annamo tutti
a quer paese, tutti,
a quer paese, tutti,
a quer paese, tutti.

Aho', ma tu che fai, nun venghi?
Chi è, aho', e come, nun vengo?
Pe' forza!

A quer paese, tutti,
a quer paese, tutti,
a quer paese là!


Ah, ah, ah.....

Me perguntei cem, mil vezes,
eu que não sou nem rei, nem imperador,
o que fiz para ter esta rainha,
na cama, entre os braços,
no fundo do coração?
E considerado que és tão preciosa
esta noite quero dizer-te uma coisa.

Te mandaram nunca
para aquele país?
Soubesses quanta gente que aí está!
O Primeiro Cidadão é amigo meu,
tu diz a ele que te mandei eu.

E vai, e vai,
vai em frente tu
que agora estou ocupado.
Serás a minha metade
mas se não partes,
te tornarás daqui a pouco
a minha três quartos.

E vai, e vai,
não podes saber o prazer que me dá,
talvez algum amigo te consola
assim te tornas sapato e ele te pega.
Eu te mando lá, sozinha,
eu te mando lá sozinha,
sozinha, sem mim.

Já que estou nessa
vou me levar um outro peso,
contigo, que fazes o chefão
e estás mais pra cima.
Te expandistes demais,
ouve, fulano,
não ficas ofendido se te trato com o tu?

Te mandaram nunca
para aquele país?
Soubesses quanta gente que aí está!
A ti, vão dar a medalha de ouro
e nós, aí te mandamos todos em coro.

E vai, e vai,
quem vai com a corrente é um bacalhau,
eu sou salmão
e não me importa nada,
eu, gosto de andar
contra corrente.

E vai, e vai,
que mais és gordo
e mais aí deves andar,
e te encontrarás no lugar justo
e antes ou depois, verás,
provarás gosto.
Somente brincando, uh estou,
somente cantando, uh estou,
somente a brincar, desculpe.

Ma quando de manhã
estou ao espelho,
há um fato
que me joga pra baixo o moral,
eu me reencontro sempre
no banheiro
e me re-canto pra mim este final.

Te mandaram nunca
para aquele país?
Soubesses quanta gente que aí está!
Assim me faço coragem e me consolo
pelo fato de eu mesmo mandar-me aí.

E vai, e vai,
e se aí deves ir,
tu deves ir.
Tanto se te escondes
atrás de um vidro,
uma mão terás na frente
e uma outra por trás

E vai, e vai,
não serve que estamos aqui brigando,
ficamos abraçados, apertados apertados,
que tanto antes ou depois vamos todos
para aquele país, todos,
para aquele país, todos,
para aquele país, todos,

Oi, mas o que está fazendo, não vens?
Quem é, oh, e como, não venho?
Por força!
Para aquele país, todos,
para aquele país, todos,
para aquele país lá!