Musica Italiana

Surdate

( Canta: Sergio Bruni )
( Autores: L. Bovio - E. Nardella - 1910 )

Original em dialeto napolitano Tradução

'O tenente mm'ha 'ncucciato
cu ll'uocchie 'e chianto e cu 'a chitarra 'mmano,
e mm' ha ditto accussí: "Napulitano,
ccá nun hê 'a fá 'O Tenore, hê 'a fá 'o surdate!"

Ll'aggio ditto accussí: "Signor tenente,
mannáteme 'mprigione, nun fa niente!
Penzo a 'o paese mio ca sta luntano,
e só' Napulitano, e si nun canto, i' moro!"

'O tenente ha suspirato:
"Napule è bella assaje, Napule è bella!
Napulitá', pur' io só' 'nnammurato,
cántala zittu, zittu 'a canzuncella."

Ll'aggiu ditto accussí: "Signor tenente,
cantáte pure vuje, ca nun fa niente!
Penzo a 'o paese mio ca sta luntano,
e só' Napulitano, e si nun canto, i' moro!"

Trase e luce, 'a luna d'oro,
pe' fá lucente e d'oro 'a cammarata.
Tutt' 'e cumpagne mieje, dint' 'a nuttata,
chiagnenno 'nziem'a me, cantano a coro.

E i' ca dico accussí: "Signor tenente,
jammo a ferní in prigione? Nun fa niente!
Chillo, 'o paese nuosto, sta luntano,
e chi è Napulitano, o canta, o sonna, o more!"


O tenente me surpreendeu
com os olhos de choro e com a guitarra na mão,
e me disse assim: "Napolitano,
aqui não deves fazer O Tenor, deves fazer o soldado!"

Eu lhe disse assim: "Senhor tenente,
me mande para a cadeia, não é nada!
Penso na minha cidade que é distante,
sou Napolitano, e se não canto, eu morro!"

O tenente suspirou:
"Nápoles e bela demais, Nápoles é bela!
Napolitano, eu também sou apaixonado,
cantas baixinho a musiqueta."

Eu lhe disse assim: "Senhor tenente,
cante o senhor também, pois não acontece nada!
Penso na minha cidade que é distante,
sou Napolitano, e se não canto, eu morro!"

Nos traz a luz, a lua dourada,
para fazer brilhante e dourado o dormitório.
Todos os meus companheiros, durante a noite,
chorando juntos comigo, cantam em coro.

E eu lhe digo assim: "Senhor tenente,
vamos acabar na cadeia? Não é nada!
Aquela, a cidade nossa, é distante,
e quem é Napolitano, ou canta, ou sonha, ou morre!"