Musica Italiana

Strada bianca

( Canta: Nilla Pizzi )
( Autor: Cesare Andrea Bixio - 1932 )

Original em italiano Tradução

Sotto le stelle tremule e lucenti,
ombre d'amanti, baci e giuramenti.
Povera strada sotto il chiar di luna,
bocca sincera non ce n'è nessuna.

Quello che ho tanto amato
e che hai creduto anche tu,
ha preso un'altra strada
e si è perduto lassù.

Strada bianca, velata d'argento,
se più sola e più triste mi sento,
se il mio volto sorriso non ha,
dimmi tu che lui nulla saprà.

Cosa importa se a un'altra stasera,
l'illusione di un bacio darà,
il suo amor è una vana chimera,
lui così pure un dì sognerà.

Piccola strada bianca abbandonata,
nella tua luce pallida e velata
c'è come un velo di malinconia,
tu pure vivi la tristezza mia.

Se un dì lo rivedrai
stretto ad un'altra quaggiù,
tu mi nasconderai
per non vederlo mai più.

Strada bianca, velata d'argento,
se il mio sogno d'amor si è spento,
questa notte risplendi di più,
non lasciarmi nell'ombra anche tu.

Se la strada del bene ho smarrita
ed il male soltanto mi avrà,
se ha distrutto il mio cuor, la mia vita,
lui così pure un dì finirà.

Questa notte risplendi di più,
non lasciarmi nell'ombra anche tu.

Se la strada del bene ho smarrita
ed il male soltanto mi avrà,
se ha distrutto il mio cuor, la mia vita,
lui così pure un dì finirà!


Sob as estrelas trêmulas e brilhantes,
sombras de amantes, beijos e juramentos.
Pobre estrada sob o clarão da lua,
boca sincera não há mais nenhuma.

Aquele que tanto amei
e ao qual creste também tu,
prendeu uma outra estrada
e se perdeu lá.

Estrada branca, velada de prata,
se mais sozinha e triste me sinto,
se o meu rosto sorriso não tem,
diz-me que ele nada saberá.

O que importa se a uma outra esta noite,
a ilusão de um beijo dará,
o seu amor é uma inútil quimera,
ele assim também um dia sonhará.

Pequena estrada branca abandonada,
na tua luz pálida e velada
há como um véu de melancolia,
tu também vives a tristeza minha.

Se um dia tu o encontrarás
aqui abraçado a uma outra,
tu me esconderás
para eu não ver ele nunca mais.

Estrada branca, velada de prata,
se o meu sonho de amor se apagou,
esta noite resplenda ainda mais,
não deixar-me na sombra também tu.

Se a estrada do bem eu perdi
e somente o mal me terá,
se destruiu o meu coração, a minha vida,
ele assim também um dia acabará.

Esta noite resplenda ainda mais,
não deixar-me na sombra também tu.

Se a estrada do bem eu perdi
e somente o mal me terá,
se destruiu o meu coração, a minha vida,
ele assim também um dia acabará!