Musica Italiana

Simmo 'e Napule paisà

( Canta: Massimo Ranieri )
( Autores: Fiorelli - Valente - 1944 )

Original em dialeto napolitano Tradução

Tarantella, facennoce 'e cunte,
nun vale cchiù a niente
'o ppassato a penzá.

Quanno nun ce stanno 'e tramme,
na carrozza è sempe pronta,
n'ata a ll'angolo sta giá.

Caccia oje nénna 'o crespo giallo,
miette 'a vesta cchiù carella
cu na rosa 'int''e capille,
saje che 'mmidia 'ncuoll' a me.

Tarantella, facènnoce 'e cunte,
nun vale cchiù a niente
'o ppeccomme e 'o ppecché.

Basta ca ce sta 'o sole,
ca c'è rimasto 'o mare,
na nénna a core a core,
na canzone pe' cantá.

Chi ha avuto, ha avuto, ha avuto,
chi ha dato, ha dato, ha dato,
scurdámmoce 'o ppassato,
simmo 'e Napule paisá!.

Tarantella, stu munno è na rota
chi saglie 'a sagliuta,
chi sta pe' cadé!

Dice buono 'o mutto antico:
ccá se scontano 'e peccate,
ogge a te...dimane a me!

Io, nu poco fatto a vino,
penzo ô mmale e penzo ô bbene,
ma 'sta vocca curallina
cerca 'a mia pe' s''a vasá!

Tarantella, si 'o munno è na rota,
pigliammo 'o minuto
che sta pe' passá.

Basta ca ce sta 'o sole,
ca c'è rimasto 'o mare,
na nénna a core a core,
na canzone pe' cantá.

Chi ha avuto, ha avuto, ha avuto,
chi ha dato, ha dato, ha dato,
scurdámmoce 'o ppassato,
simmo 'e Napule paisá!.

Tarantella, 'o cucchiere è n'amico,
nun 'ngarra cchiù 'o vico
addó mm'ha da purtá.

Mo redenno e mo cantanno,
s'è scurdato 'o coprifuoco,
vò' surtanto cammená.

Quanno sta a Santa Lucia,
"Signurí', - nce dice a nuje -
ccá nce steva 'a casa mia,
só' rimasto surtant'i'..."

E chiagnenno, chiagnenno, s'avvía...
ma po', 'a nustalgía,
fa priesto a ferní.

Basta ca ce sta 'o sole,
ca c'è rimasto 'o mare,
na nénna a core a core,
na canzone pe' cantá.

Chi ha avuto, ha avuto, ha avuto,
chi ha dato, ha dato, ha dato,
scurdámmoce 'o ppassato,
simmo 'e Napule paisá!.

Basta ca ce sta 'o sole,
ca c'è rimasto 'o mare,
na nénna a core a core,
na canzone pe' cantá.

Chi ha avuto, ha avuto, ha avuto,
chi ha dato, ha dato, ha dato,
scurdámmoce 'o ppassato,
simmo 'e Napule paisá!


Tarantella, fazendo as contas,
não serve mais a nada
pensar no passado.

Quando não tem mais bondes,
uma carroça é sempre pronta,
outra na esquina está já.

Prepare, o mulher, o xale amarelo,
vista o vestido mais belo
com uma rosa entre os cabelos,
vai ver quanta inveja para mim.

Tarantella, fazendo as contas,
não serve mais a nada
o como e o porque.

Basta que tenha o sol,
que permaneceu o mar,
uma garota coração a coração,
uma canção para cantar.

Quem teve, teve, teve,
quem deu, deu, deu,
esqueçamos do passado,
somos de Nápoles paisano!

Tarantella, este mundo é uma roda,
quem sobe a ladeira,
quem está para cair!

Diz bem o ditado antigo:
aqui se pagam os pecados,
hoje a ti...amanhã a mim!

Eu, um pouco embriago,
penso no mal e penso no bem,
mas esta boca cor de coral
busca a minha para beijá-la!

Tarantella, se o mundo é uma roda,
colhamos o minuto
que está para passar.

Basta que tenha o sol,
que permaneceu o mar,
uma garota coração a coração,
uma canção para cantar.

Quem teve, teve, teve,
quem deu, deu, deu,
esquecemos do passado,
somos de Nápoles paisano!

Tarantella, o cocheiro é um amigo,
não acha mais o beco
onde deve me levar.

Hora rindo e hora cantando,
se esqueceu da hora,
quer somente andar.

Quando chega a Santa Lucia,
"Senhores, - nos diz -
aqui estava a casa minha,
sobrei somente eu..."

E chorando, chorando, se encaminha,
mas depois, a nostalgia,
logo termina.

Basta que tenha o sol,
que permaneceu o mar,
uma garota coração a coração,
uma canção para cantar.

Quem teve, teve, teve,
quem deu, deu, deu,
esqueçamos do passado,
somos de Nápoles paisano!

Basta que tenha o sol,
que permaneceu o mar,
uma garota coração a coração,
uma canção para cantar.

Quem teve, teve, teve,
quem deu, deu, deu,
esqueçamos do passado,
somos de Nápoles paisano!