Musica Italiana

Sciummo

( Canta: Mario Trevi )
( Autores: E. Bonagura - Lucillo - C. Concina - 1952 )

Original em dialeto napolitano Tradução

Tu scinne, sciummo, sciummo, sciummo,
da 'a muntagna.
Io scénno, ca na mala sorte
mm'accumpagna.
E ghiammo, ohé!
Ll'ammore è sciummo ca se perde a mare.

Tu cante: "Tòcche, tòcche, tòcche,
spaccalegna".
'A saccio,
nun ce sta na vócca cchiù sanguégna.
E scénno, ohé!
Chi perde ammore va' cercando 'o mare.

Campana
ca suone 'a copp'a stu cunvento,
tu siente
ch'ha fatto chella faccia 'e santa.
Ajére, 'mbracci'a me, nu svenimento,
stasera vasa a n'ato e se n'avanta!

Oje, comme sona lenta e triste na zampogna,
ca scénne, sciummo, sciummo, sciummo,
da 'a muntagna!
E ghiammo, ohé!
Ll'ammore è sciummo ca se perde a mare,
e 'nfunn'ô mare s'arreposa 'o core.

Paese
addó' só' nato, i' te saluto.
Te veco
llá 'ncimma, sulo e abbandunato,
e 'nfamo, 'nfamo 'e me, mme ne só' ghiuto.
Te lasso pecché 'ammore mm'ha lassato!

Tu chiagne
quase comm'a n'ommo
ca se lagna,
e i' scénno,
sciummo, sciummo, sciummo,
da 'a muntagna!.

E ghiammo, ohé!
Ll'ammore è sciummo ca se perde a mare,
e sulo 'o mmare fa' scurda' l'ammore!


Tu desces, rio, rio, rio,
da montanha.
Eu desço, porque uma má sorte
me acompanha.
E vamos, oi!
O amor é um rio que se perde no mar.

Tu cantas: "Toque, toque, toque,
lenhador".
A conheço,
não há boca mais vermelha.
E desço, oi!
Quem perde o amor vai buscando o mar.

Sino
que tocas no cume deste convento,
tu ouves
o que fez aquele rosto de santa.
Ontem, entre os meus braços, um desmaio,
esta noite beija um outro e se gaba.

Oh, como toca lenta e triste uma gaita-de-foles,
que desce, rio, rio, rio,
da montanha.
E vamos, oi!
O amor é um rio que se perde no mar,
e no fundo do mar descansa o coração.

Vilarejo
onde nasci, eu te abraço.
Te vejo
lá em cima, sozinho e abandonado,
e eu infame, infame de mim, foi embora.
Te deixo porque o amor me deixou!

Tu choras
quase como um homem
que se lamenta,
e eu desço
rio, rio, rio,
da montanha!

E vamos, oi!
O amor é um rio que se perde no mar,
e somente o mar faz esquecer o amor!