Musica Italiana

Rumba fiorentina

( Canta: Odoardo Spadaro )
( Autores: Cardoni - O. Spadaro - 1940 )

Original em dialeto toscano Tradução

Sora Gigia, oh Sora Gigia,
son tornato proprio adesso,
lo vedete ho ancora in mano la valigia.
Oh Sor Spadaro, ma di do' la viene?
Di do' la viene?
Vengo da un posto, mondo cane,
dove c'è un sacco di cubane,
dove c'è le noccioline e le brune signorine,
con un bel paio di susine.
Ma e che la dice!

Vengo dai posti ndo' la musica va a ruba.
Per andar là si deve dire: Si va a Cuba!
E è di laggiù che si porta, porca matina,
la novità di questa Rumba fiorentina.
Laggiù il trippaio te lo chiamano il trippero.
Davvero?
Ed il menefreghista gli è il menefreghero.
Se la m'ascorta tante cose gli dirò
e questa nova Rumba poi gli insegnerò.
Ma un s'intende, sà, davvero.

Stia a sentire!
La stia a sentire!
Questa danza l'è una danza che
c'avrà di certo il più grande avvenire,
l'è speciale, e l'è speciale,
l'è una danza che le donne,
pur avendo lunghe gonne,
se l'arzano talmente
anche se c'è molta gente
e a noi ci viene un accidente.

Mi piacerebbe di veder la Sora Rosa
arzarsi la sottana e non far la scontrosa
e dar un colpo d'occhio a tutto quell'ambiente
che il su' marito già conosce bene a mente.
Potrebbe darsi si finisca anche a legnate.
È di vero!
Però la moda tante cose l'ha cambiate
e poi, per far ragione, sà, tra i ma ed i se,
se la si balla, qualche cosa certo c'è.
Non mi fa' ridere, la guardi!

La si provi, via andiamo, la si provi!
Ma e che ho a provare!
A imparare questa danza dà li atteggiamenti
tutti quanti i nodi.
Come faccio!
Ma icchè ho a fare!
Faccia tremolar la schiena
e co' il collo l'altalena.
Ma così non pole andare,
mi viene il mal di mare.

L'abbia in viso la tristezza
e sui fianchi la gaiezza
ed un pò di tenerezza, ed un pò di tenerezza.
Ma come la vol fare la mia pazienza
pe' su' fianchi l'allegrezza, la tenerezza!
Sicuro va, l'è question di intenzione.
Via, forza, via, la s'imposti, via.
No, no, non ho voglia! Ohi, ohi, ohi!
Oh che c'è stato!
Ohi, una scalcagnata sopra un piede!
Ma che scalcagnata!

La vada, vada e la m'ascolti o que gli dico,
e l'è una danza che fa bene all'ombelico.
E la finisca, la mi fà diventar rossa!
Mi par di ritornare a sentire La Mossa!
Via, la non si fermi,
non si stanchi, ancora, ancora,
si deve armeno continuare una mezz'ora,
e quando stanca, con dolori, la vedrò,
la potrà dire: Ora la Rumba già la so.
Um, carino!

Sora Gigia,!
Che c'è!
Oh Sora Gigia!
Ma icchè la vole!
Son tornato proprio adesso,
lo vedete ho ancora in mano la valigia!


Senhora Gigia, oh Senhora Gigia,
 voltei exatamente agora,
 você vê que tenho ainda a mala na mão.
 Oh Senhor Spadaro, mas de onde vem?
 De onde vem?
 Venho de um lugar, mundo cão,
 onde há um monte de cubanas,
 onde ha amendoins e as morenas senhoritas,
 com um belo par de ameixas.
 Mas o que diz!
 
 Venho dos lugares onde a musica está em alta.
 Para ir lá se deve dizer: Vamos pra Cuba!
 E é de lá que se traz, porca matina,
 a novidade desta Rumba Fiorentina.
 Lá o tripeiro é chamado de trippero.
 Verdade?
 E quem está nos tintas para tudo é o menefreghero.
 Se você me escuta muitas coisas lhe direi
 e esta nova  Rumba depois lhe ensinarei.
 Mas não dá, sabe, é verdade.
 
 Escute!
 Escute!
 Esta dança é uma dança que
 terá certamente o maior sucesso,
 é especial, é especial,
 é uma dança em que as mulheres,
 apesar de ter longas saias,
 as levantam tanto
 também se há muita gente
 e nós sofremos um ataque.
 
 Gostaria de ver a Senhora Rosa
 levantar a saia e não fazer mais a susceptível
 e dar uma olhada a todo aquele ambiente
 que seu marido já conhece bem na mente.
 Poderia ser que acabe também em briga.
 É verdade!
 Porem a moda mudou muitas coisas
 e depois, pela verdade, sabe, entre os mas e os se,
 se as pessoas dançam-na, algo de certo há.
 Não me faça rir, olhe!
 
 Tente, vamos, tente!
 Mas o que devo provar!
 Aprendendo esta dança se ajustam
 todos os nodos.
 Como faço!
 Mas o que devo fazer!
 faça tremer as costas
 e balance o pescoço.
 Mas assim não pode,
 me dá enjôo.
 
 Tenha no rosto a tristeza
 e nas ancas a alegria
 e um pouco de ternura, e um pouco de ternura.
 Mas como quer fazer a minha paciência
 ter nas ancas a alegria, a ternura!
 Certo, vai, é questão de querer.
 Vai, força, vai, ponha-se em posição, vai.
 Não, nào, não tenho vontade! Ai, ai, ai!
 O que foi?!
 Ai, uma pisada sobre um pé!
 Mas que pisada!
 
 Vai, vai e escute o que lhe digo,
 é uma dança que faz bem ao umbigo.
 E pare com isso, me faz ficar vermelha!
 Me parece de retornar a sentir La Mossa!
 Vai, não pare,
 não canse, de novo, de novo,
 deve continuar pelo menos uma meia hora,
 e quando cansada, com dores, a verei,
 poderá dizer: Agora a Rumba já aprendi.
 Um, bonitinho!
 
 Senhora Gigia!
 O que há!
 Oh Senhora Gigia!
 Mas o que quer!
 Voltei exatamente agora,
 você vê que tenho ainda a mala na mão!