Musica Italiana

Ricordarsi dei nostri bisnonni

( Canta: Valmor Marasca )
( Autor: Valmor Marasca - 1963 )

Original em dialeto veneto Tradução

Faze più de cento ani,
che i Taliani qua i zé rivai;
Zé rivati de bastimento,
i gà sofresto pezo que animai;
I gà trovato puro mato,
sensa querte i dormiva in tera;
I gà lutà tanto tanto,
quasi come èser ne la guera.

Bisogna recordarse de i nostri bisnoni
che grasie a lori poi noi semo qua!


De manara i taieva le piante,
per piantare formento e milio;
Quelo zera per el suo sustento,
pena rivati qua nte sto paise;
I gà piantà tanti vignai,
i gà inpienesto le bote de vin;
L' era Italiani che ghe fea veder,
la so forsa a tuto l Brasil.

Bisogna recordarse de i nostri bisnoni
che grasie a lori poi noi semo qua!


La domenica i ndeva a mesa,
fioi e fiole e i sui genitori;
I gaveva tanta fede a Dio,
che zé pupà anca de tuti noi;
Se tuta la gente del mondo,
fose stata come i nostri bisnoni,
deso el mondo el saria ben nantro,
sensa guera e meno povertà!

Bisogna recordarse de i nostri bisnoni
che grasie a lori poi noi semo qua!


Quando l' era giorni de festa,
se reuniva diverse fameie;
I canteva, i giugheva a le boce,
giugar carte i pasea note intiere;
Ben contenti i giugheva a la mora,
e i beveva anca tanto vin;
Quando che ghe bateva la fame,
i magnea polenta e scodeghin.

Bisogna recordarse de i nostri bisnoni
che grasie a lori poi noi semo qua!


Vardé adeso, me cari frateli,
che cità e che bele colonie;
Tante strade e che grande industrie,
che i ga fato per noi ver più sorte;
Noi qua adeso gavemo de tuto,
ascolté cosa che mi ve digo:
Recordeve de i nostri Italiani,
che adeso i è là n tel paradizo!

Bisogna recordarse de i nostri bisnoni
che grasie a lori poi noi semo qua!



Fazem mais de cem anos,
que os Italianos aqui chegaram;
Chegaram de navio,
sofreram pior do que animais;
Encontraram puro mato,
sem cobertores dormiam em terra;
Lutaram tanto tanto,
quase como ser na guerra.

É preciso lembrar-se dos nossos bisavôs
pois graças a eles hoje nos estamos aqui!


De manha cortavam as plantas,
para plantar trigo e milho;
Aquele era para seu sustento,
apenas chegados aqui neste país;
Plantaram muitos vinhedos,
encheram os tonéis de vinho;
Eram Italianos que faziam ver,
sua força a todo o Brasil.

É preciso lembrar-se dos nossos bisavôs
pois graças a eles hoje nos estamos aqui!

No domingo iam à missa,
filhos e filhas e seus pais;
Haviam tanta fé em Deus
que cuidou também de todos nós;
Se todas as pessoas do mundo,
tivessem sido como os nossos bisavôs,
agora o mundo seria bem outro,
sem guerra e menos pobreza!

É preciso lembrar-se dos nossos bisavôs
pois graças a eles hoje nos estamos aqui!

Quando eram os dias de festa,
reuniam-se diversas famílias;
Cantavam, jogavam boliche,
jogando baralho passavam noites inteiras;
Ben contentos jogavam a "morra",
e bebiam também muito vinho;
Quando batia a fome,
comiam polenta e salpicão.

É preciso lembrar-se dos nossos bisavôs
pois graças a eles hoje nos estamos aqui!

Olhem agora, meus queridos irmãos,
que cidades e que belas colônias;
Tantas estradas e que grandes industrias,
que fizeram para nos termos mais sorte;
Nos agora temos de tudo,
escutem o que vou dizer a vocês:
Lembrem-se dos nossos Italianos,
que agora estão lá no Paraíso!

É preciso lembrar-se dos nossos bisavôs
pois graças a eles hoje nos estamos aqui!