Musica Italiana

Quando finisce un amore

( Canta: Riccardo Cocciante )
( Autores: A. Cassella - M. Luberti - R. Cocciante - 1974 )

Original em italiano Tradução

Quando finisce un amore
così com'e' finito il mio,
senza una ragione nè un motivo,
senza niente,
ti senti un nodo nella gola,
ti senti un buco nello stomaco,
ti senti un vuoto nella testa
e non capisci niente.

E non ti basta più un amico,
e non ti basta più distrarti
e non ti basta bere da ubriacarti
e non ti basta ormai più niente.
E in fondo pensi, ci sarà un motivo,
e cerchi a tutti i costi una ragione,
eppure non c'e' mai una ragione
perché un amore debba finire.

E vorresti cambiare faccia,
e vorresti cambiare nome
e vorresti cambiare aria
e vorresti cambiare vita
e vorresti cambiare il mondo,
ma sai perfettamente
che non ti servirebbe a niente
perché c'e' lei, perché c'e' lei,
perché c'e' lei, perché c'e' lei...

...perché c'e' lei nelle tue ossa
perché c'e' lei nella tua mente
perché c'e' lei nella tua vita
e non potresti più mandarla via,
nemmeno se cambiassi faccia
nemmeno se cambiassi nome
nemmeno se cambiassi aria
nemmeno se cambiassi vita
nemmeno se cambiasse il mondo.

Però, se potessi ragionarci sopra,
saprei perfettamente che domani sarà diverso,
lei non sarà più lei,
io non sarò lo stesso uomo,
magari l'avrò già dimenticata.
Se potessi ragionarci sopra,
se potessi ragionarci sopra,
ma non posso, perché...

...quando finisce un amore
così com'è finito il mio,
senza una ragione ne' un motivo,
senza niente,
ti senti un nodo nella gola,
ti senti un buco nello stomaco,
ti senti un vuoto nella testa
e non capisci niente.

E non ti basta più un amico,
e non ti basta più distrarti
e non ti basta bere da ubriacarti
e non ti basta ormai più niente.
E in fondo pensi, ci sarà un motivo,
e cerchi a tutti i costi una ragione,
eppure non c'e' mai una ragione
perché un amore debba finire.

na...na...na...na...


Quando termina um amor
assim como terminou o meu,
sem uma razão nem um motivo,
sem nada,
tu sentes um nó na garganta,
tu sentes um buraco no estomago,
tu sentes um vazio na cabeça
e não compreendes nada.

E não te basta mais um amigo,
e não te basta mais distrair-te
e não te basta beber até embriagar-te
e não te basta já mais nada.
E no fundo pensas, tem que ter um motivo,
e buscas a qualquer custo uma razão,
contudo não tem nunca uma razão
porque um amor tenha que terminar.

E querias mudar de rosto,
e querias mudar de nome
e querias mudar de ar ar
e querias mudar de vida
e querias mudar o mundo,
mas sabes perfeitamente
que não serviria para nada
porque tem ela, porque tem ela,
porque tem ela, porque tem ela...

...porque tem ela em teus ossos
porque tem ela na tua mente
porque tem ela na tua vida
e não poderias mais mandá-la embora,
nem se mudasses de rosto
nem se mudasses de nome
nem se mudasses de ar
nem se mudasses de vida
nem se mudasses o mundo.

Porem, se eu pudesse raciocinar sobre isso,
saberia perfeitamente que amanha será diferente,
ela não será mais ela,
eu não serei o mesmo homem,
talvez a terei já esquecida.
Se pudesse raciocinar sobre isso,
se pudesse raciocinar sobre isso,
mas não posso, porque...

...quando termina um amor
assim como terminou o meu,
sem uma razão nem um motivo,
sem nada,
tu sentes um nó na garganta,
tu sentes um buraco no estomago,
tu sentes um vazio na cabeça
e não compreendes nada.

E não te basta mais um amigo,
e não te basta mais distrair-te
e não te basta beber até embriagar-te
e não te basta já mais nada.
E no fundo pensas, tem que ter um motivo,
e buscas a qualquer custo uma razão,
contudo não tem nunca uma razão
porque um amor tenha que terminar.

na...na...na...na...