Musica Italiana

Pupo biondo

( Canta: Lando Fiorini )
( Autores: Mario Fagioli e Fortunato Lay - 1927 )

Original em dialeto romanesco Tradução

Cianno forse tutt'e due la stessa età,
je fiorisce dentro ar core n'illusione
e 'gni vicolo anniscosto ce la sa
tutta quanta la passione.

Lui je cerca la boccuccia,
ch'è un biggiù,
e in un bacio je sussurra
a tu-per-tu:

Noi ciavremo 'na loggetta
cor geranio e le pansè,
tu sarai la regginetta
io m'empegno a fa' da re.

Regneremo in tutt'er monno
e all'erede pensa te.
Vojo un pupo, un pupo bionno,
p'anninnallo in braccio a me.

Va a la guera la più bella gioventù,
'gni fanfara s'arisveja
e squilla ardita
e lui pure canta alegro e va lassù.

Lei cià in seno 'n'antra vita
e se pensa ar pupo bello che verà,
se l'insogna
e ce se mette a raggionà:

Quanno arivi, pupo bello,
mamma tua te fa trovà
l'abbituccio turchinello
tutto pieno de volà.

Mentre un passero cinguetta
e er geranio fiorirà,
aspettanno alla loggetta
er ritorno de papà.

Mamma cuce, er pupo compita "Papà"
e, guidato da quer trillo, viè un sordato,
a tastoni, come un cieco. Chi sarà?
E' papà ch'è ritornato!

Se confonneno in un bacio
tutt'e tre,
poi papà se strigne er pupo
e vò sapé:

Pupo, ciài er visetto tonno,
un visetto ch'è un biggiù.
Come sei, moretto o bionno?
Ciài l'occhioni neri o blu?

Te lo chiedo 'n'antra vorta,
pupo mio, dimmelo tu,
perchè mamma nun s'è accorta
che papà nun vede più!


Talvez têm ambos a mesma idade,
floresce em seus corações uma ilusão
e cada viela escondida conhece
toda a sua paixão.

Ele procura a boquinha dela,
que é um "bijou",
e num beijo lhe sussurra
de pertinho:

Nós teremos uma lojinha
com o gerânio e os amores-perfeitos,
tu serás a rainha
eu me empenho a ser o rei.

Reinaremos em todo o mundo
e ao herdeiro pensarás tu.
Quero um neném, um neném loiro,
para ninar nos meus braços.

Vai para a guerra a mais bonita juventude,
cada banda acorda
e ressoa com ardor
e ele também canta alegre e vai lá.

Ela tem no ventre uma outra vida
e se pensa ao neném lindo que virá,
sonha com ele
e começa a falar-lhe:

Para quando chegarás, lindo neném,
tua mãezinha preparou
uma roupinha azul
toda cheia de renda.

Enquanto um pássaro gorjeia
e o gerânio florescerá,
esperando na lojinha
a volta de papai.

Mamãe costura, o neném soletra "Papai"
e, guiado por aquele trilo, aparece um soldado,
às apalpadelas, como um cego. Quem será?
É papai que voltou!

Se confundem num beijo
todos os três,
depois o pai aperta o neném
e quer saber:

Neném, tens o rostinho redondo,
um rostinho que e um "bijou".
Como tu és, moreno ou loiro?
Tens os olhinhos pretos ou azul?

Te pergunto uma outra vez,
meu neném, falas tu pra mim,
pois mamãe não reparou
que papai não enxerga mais!