Musica Italiana

Piccolo grande amore

( Canta: Claudio Baglioni )
( Autores: C. Baglioni -  G. Coggio - 1972 )

Original em italiano Tradução

Quella sua maglietta fina
tanto stretta al punto che
mi immaginavo tutto.
E quell'aria da bambina
che non glielo detto mai,
ma io ci andavo matto.

E chiare sere d'estate,
il mare, i giochi, le fate,
e la paura e la voglia di essere nudi,
un bacio a labbra salate,
il fuoco, quattro risate,
e far l'amore giù al faro.
Ti amo davvero, ti amo lo giuro.
Ti amo, ti amo davvero.

E lei, lei mi guardava con sospetto
poi mi sorrideva e mi teneva stretto stretto.
Ed io, io non ho mai capito niente
visto che oramai non me lo levo dalla mente
che lei, lei era
un piccolo grande amore,
solo un piccolo grande amore,
niente più di questo, niente più.

Mi manca da morire
quel suo piccolo grande amore,
adesso che saprei cosa dire,
adesso che saprei cosa fare,
adesso che
voglio un piccolo grande amore.

Quella camminata strana,
pure in mezzo a chissacchè,
l'avrei riconosciuta.
Mi diceva "sei una frana"
ma io questa cosa qui
mica l'ho mai creduta.

E lunghe corse affannate
incontro a stelle cadute,
e mani sempre più ansiose
di cose proibite.
E le canzoni stonate urlate al cielo lassù
"chi arriva prima a quel muro..."
Non sono sicuro se ti amo davvero
non sono, non sono sicuro.

E lei, tutto ad un tratto non parlava
ma le si leggeva chiaro in faccia che soffriva.
Ed io, io non lo so quant'è che ho pianto.
Solamente adesso me ne sto rendendo conto
che lei, lei era
un piccolo grande amore,
solo un piccolo grande amore,
niente più di questo, niente più.

Mi manca da morire
quel suo piccolo grande amore,
adesso che saprei cosa dire,
adesso che saprei cosa fare,
adesso che
voglio un piccolo grande amore.


Aquela sua camiseta fina
tanto estreita ao ponto que
eu imaginava tudo.
E aquele ar de menina
que não lhe disse nunca,
mas eu ficava louco.

E claras noites de verão,
o mar, as brincadeiras, as fadas,
e o medo e a vontade de ficar nus,
um beijo com lábios salgados,
o fogo, quatro risadas,
e fazer amor em baixo do farol.
Te amo de verdade, te amo o juro.
Te amo, te amo de verdade.

E ela, ela me olhava com suspeito
depois me sorria e me mantinha bem apertado.
E eu, eu nunca entendi nada
visto que agora não tiro da mente
que ela, ela era
um pequeno grande amor,
somente um pequeno grande amor,
nada mais do que isto, nada mais.

Sinto saudade de morrer
daquele seu pequeno grande amor,
agora que saberia o que dizer,
agora que saberia o que fazer,
agora que
quero um pequeno grande amor.

Aquele andar estranho,
até no meio de quiçá que,
o teria reconhecido.
Me dizia "és um desastre"
mas eu nisso aí
nunca acreditei.

E longas corridas ofegantes
em direção à estrelas caídas,
e mãos sempre mais desejosas
de coisas proibidas.
E as canções desafinadas gritadas ao céu lá em cima
"quem chega primeiro àquele muro..."
Não tenho certeza se te amo de verdade
não tenho, não tenho certeza.

E ela, de improviso não falava
mas se lia claramente no seu rosto que sofria.
E eu, eu não sei quanto chorei.
Somente agora me dou conta
que ela, ela era
um pequeno grande amor,
somente um pequeno grande amor,
nada mais do que isto, nada mais.

Sinto saudade de morrer
daquele seu pequeno grande amor,
agora que saberia o que dizer,
agora que saberia o que fazer,
agora que
quero um pequeno grande amor.