Musica Italiana

'O Suspiro

( Canta: Renato Carosone )
( Autores: Nisa - R. Carosone - 1957 )

Original em italiano Tradução

Canta Napoli,
Napoli a sospiro...eh...eh!

Si mámmeta t'ha fatto cu 'abbundanza,
sti ssuttanelle strette,
tu, che t''e mmiette a fà?
Sarrá l'effetto della tua presenza
ca, doce doce, mme fa suspirà.

Tu, quanno passe, mme faje vení na mossa,
oje vocca rossa, che sfizio a te vasà!
Tu nun 'o ssaje, ma chistu core mio
suspira e fà: Aaaah!
Sei una bontà!

Pe' st'uocchie nire 'mpazzisce 'o gelatiere,
'o ragiuniere nun riesce a ragiunà,
e 'o canteniere, sciacquanno nu bicchiere,
suspira e fà: Aaaah!
Sei una bontà!

Nun 'o vvide ca 'o barbiere
nun 'nzapona e guarda a te
mentre 'o cliente,
'a copp''a seggia,
zompa e dice: Ma chi è?

Tu, quanno passe, mme faje vení na mossa,
oje vocca rossa, che sfizio a te vasà!
Si' na pupata e tutt''o vicinato
suspira e fà: Aaaah!
Sei una bontá!

Aaaah!
Aaaah!
Aaaah!

Nun 'o vvide ca 'o barbiere
nun 'nzapona e guarda a te?
Mentre 'o cliente,
'a copp''a seggia,
zompa e dice: Ma chi è?

Tu, quanno passe, mme faje vení na mossa,
oje vocca rossa, che sfizio a te vasà!
Si' na pupata e tutt''o vicinato
suspira e fà: Aaaah!
Sei una bontá!

Aaaah!
Sei una bontá!
Aaaah!
Sei una bontá!
Aaaah!

 


Canta Nápoles,
Nápoles a suspiro...eh...eh!

Se tua mãe te fez avantajada,
esta saia estreita,
tu, porque a meteste?
Será o efeito da tua presença
que, docemente, me faz suspirar.

Tu, quando passas, me faz nascer um desejo,
aquela boca vermelha, que vontade de beijar!
Tu não sabes, mas este coração meu
suspira e faz: Aaaah!
És uma bondade!

Por estes olhos pretos enlouquece o sorveteiro,
o contador não consegue mais raciocinar,
e o cantineiro, enxaguando um copo,
suspira e faz: Aaaah!
És uma bondade!

Não vê que o barbeiro
não ensaboa e olha pra ti
enquanto o cliente,
dá cadeira,
pula e diz: Mas quem é?

Tu, quando passas, me faz nascer um desejo,
aquela boca vermelha, que vontade de beijar!
És uma boneca e toda a vizinhança
suspira e faz: Aaaah!
És uma bondade!

Aaaah!
Aaaah!
Aaaah!

Não vê que o barbeiro
não ensaboa e olha pra ti
enquanto o cliente,
dá cadeira,
pula e diz: Mas quem é?

Tu, quando passas, me faz nascer um desejo,
aquela boca vermelha, que vontade de beijar!
És uma boneca e toda a vizinhança
suspira e faz: Aaaah!
És uma bondade!

Aaaah!
És uma bondade!
Aaaah!
És uma bondade!
Aaaah!