Musica Italiana

Organetto vagabondo

( Canta: Oscar Carboni )
( Autores: B. Cherubini - C. A. Bixio - 1941 )

Original em italiano Tradução

È un organetto lontano,
suona una dolce canzone,
non v'affacciate bambine perchè
l'innamorato non è.
È un menestrello un pò strano,
suona soltanto perchè:

L'organetto del vagabondo
girando il mondo,
paesi e città,
tu lo senti cantar giocondo
ma in fondo in fondo
che male ti fa.

Lui non sogna la fata bruna,
non sospira l'amor che non ha,
perchè vive di chiari di luna,
non va in cerca della fortuna.
Come me se ne infischia del mondo
l'organetto del vafabondo.

Suona organetto pian piano,
non ti curar di nessuno,
perchè stanotte sospiri di più
verso un balcone lassù.
Forse tu speri ma invano,
un vagabondo sei tu.

L'organetto del vagabondo
girando il mondo,
paesi e città,
tu lo senti cantar giocondo
ma in fondo in fondo
che male ti fa.

Lui non sogna la fata bruna,
non sospira l'amor che non ha,
perchè vive di chiari di luna,
non va in cerca della fortuna.
Come me se ne infischia del mondo
l'organetto del vafabondo.

Lui non sogna la casa bruna,
non sospira l'amor che non ha,
perchè vive di chiari di luna,
non va in cerca della fortuna.


É um realejo distante,
toca uma doce musica,
não debruçai-vos meninas porque
não é o namorado.
É um menestrel um pouco estranho,
toca somente porque:

O realejo do vagabundo
rodando o mundo,
países e cidades,
ouve-se cantar feliz
mas no fundo no fundo
não faz mal algum.

Ele não sonha com a fada morena,
não suspira o amor que não tem,
porque vive de luares,
não vai em busca da sorte.
Como eu, não se importa com o mundo
o realejo do vagabundo.

Toca realejo, devagarzinho,
não preocupar-te com ninguém,
porque esta noite tu suspira mais
para um balcão lá no alto.
Talvez tu esperas, mas em vão,
um vagabundo és tu.

O realejo do vagabundo
rodando o mundo,
países e cidades,
ouve-se cantar feliz
mas no fundo no fundo
não faz mal algum.

Ele não sonha com a fada morena,
não suspira o amor que não tem,
porque vive de luares,
não vai em busca da sorte.
Como eu, não se importa com o mundo
o realejo do vagabundo.

Ele não sonha com a fada morena,
não suspira o amor que não tem,
porque vive de luares,
não vai em busca da sorte.