Musica Italiana

Ondamarina

( Canta: Claudio Villa )
( Autores: D. Bernazza - L. Lops - 1957 )

Original em italiano Tradução

Sei come l'onda che non sosta mai
e come l'onda vieni e te ne vai,
io son la riva ferma ad aspettare
ogni capriccio del tuo strano amore.

Un giorno m'ami
e un giorno m'abbandoni,
dovrei fuggirti
e non ti so lasciar.

Ondamarina,
amarti come t'amo è una sfortuna,
in ogni tua carezza c'è una spina,
in ogni tuo sorriso c'è una pena.

Ondamarina,
sei bella e incanti più d'una sirena,
ma chi ti fece fu una fata strana,
ti diede tutto e non ti diede un cuor.

Ma un'ora è come un giorno
e un giorno è come un anno,
il tempo sembra eterno
se tu non sei con me.

Ondamarina,
tu che sorridi sul mio cuore in pena
ricorda che la vita a volte è strana,
un altro forse riderà di te.

Ma un'ora è come un giorno
e un giorno è come un anno,
il tempo sembra eterno
se tu non sei con me.

Ondamarina,
tu che sorridi sul mio cuore in pena
ricorda che la vita a volte è strana,
un altro forse riderà di te.

E come il pescator non abbandona
il mare che gli da vita e gli da pena,
così se non ti sento a me vicina
non vivo e cerco te, Ondamarina.


Tu és como a onda que não para nunca
e como a onda tu vens e vai,
eu sou a beira-mar que fica esperando
cada capricho do teu estranho amor.

Um dia me amas
e um dia me abandonas,
deveria fugir de ti
mas não sei deixar-te.

Ondamarina,
amar-te como te amo e uma desgraça,
em cada tua caricia há uma espinha,
em cada teu sorriso há uma pena.

Ondamarina,
és bonita e encantas mais que uma sereia,
mas quem te fez foi uma fada estranha,
te deu tudo mas não te deu um coração.

Mas uma hora é como um dia
e um dia é como um ano,
o tempo parece eterno
se tu não estás comigo.

Ondamarina,
tu que sorris sobre o meu coração em pena,
lembra que a vida as vezes é estranha,
um outro talvez rirá de ti.

Mas uma hora é como um dia
e um dia é como um ano,
o tempo parece eterno
se tu não estás comigo.

Ondamarina,
tu que sorris sobre o meu coração em pena,
lembra que a vida as vezes é estranha,
um outro talvez rirá de ti.

E como o pescador não abandona
o mar que lhe dá vida e lhe dá pena,
assim se não te sinto ao meu lado
não vivo e te procuro, Ondamarina.