Musica Italiana

O Ciucciariello

( Canta: Fausto Cigliano )
( Autores: R. Murolo - Oliviero - 1959 )

Esta musica me foi enviada pelo meu querido amigo italiano Franco Cacciafesta

Original em dialeto napolitano Tradução

'Ncoppa 'a na strada janca e sulagna,
'mmiez'a ll'addore e a ll'aria 'e campagna,
na carretta piccerella
chianu, chianu, se ne va.

Nun s'affatica stu ciucciariello,
nun tene pressa. Ch' 'a tene a fá?
E sta luntano stu paisiello
addó' nisciuno c' ha da aspettá.

E tira, tira, tira oje ciucciariello,
'sta carrettella, tírala tu.
E sona, sona, sona 'o campaniello,
ma chi aspettava nun ce sta cchiù.

Na femmena busciarda mm' ha lassato,
luntano da 'a campagna se n' è ghiuta.
E tira, tira, tira oje ciucciariello,
pe' 'n' ata parte pòrtame tu.

Oje, ciucciariello buono e aggarbato,
tu ca nc' hê visto sempe abbracciate,
na prumessa 'e matrimonio,
a sentiste pure tu.

Essa diceva: "Si' 'a vita mia,
e a primmavera c'îmm''a spusá".
Nun era overo, fuje na buscía,
se n'è partuta, chisà addó' sta.

E sona, sona, sona 'o campaniello,
ma chi aspettava nun ce sta cchiù.

Na femmena busciarda mm' ha lassato,
luntano da 'a campagna se n' è ghiuta.
E tira, tira, tira oje ciucciariello,
pe' 'n' ata strada pòrtame tu.

'Ncoppa 'a na strada janca e sulagna,
'mmiez' a ll'addore e a ll'aria 'e campagna,
na carretta piccerella
chianu, chianu, se ne va.


Por uma estrada branca e solitária,
no meio do cheiro e do ar de campanha,
uma carroça pequenina
devagar, devagar, vai andando.

Não afadiga-se este burrinho,
não tem pressa. Porque ter pressa?
E é distante este vilarejo
onde ninguém está nos esperando.

E puxa, puxa, puxa oh burrinho,
esta carrocinha puxa-a tu.
E toca, toca, toca a campainha,
mas quem esperava não está mais aí.

Uma mulher mentirosa me deixou,
longe da campanha se foi.
E puxa, puxa, puxa oh burrinho,
por uma outra estrada leva-me tu.

Oh burrinho bom e agradável,
tu que nos viste sempre abraçados,
uma promessa de matrimonio,
a ouviste também tu.

Ela dizia: "És a vida minha,
e na primavera nos casaremos".
Não era verdade, era uma mentira,
foi-se embora, quiçá onde está.

E toca, toca, toca a campainha,
mas quem esperava não está mais aí.

Uma mulher mentirosa me deixou,
longe da campanha se foi.
E puxa, puxa, puxa oh burrinho,
por uma outra estrada leva-me tu.

Por uma estrada branca e solitária,
no meio do cheiro e do ar de campanha,
uma carroça pequenina
devagar, devagar, vai andando.