Musica Italiana

Ma se ghe penso

( Canta: Bruno Lauzi )
( Autores: M. Cappello - A. Margutti - 1925 )

Original em dialeto genovs Traduo

O l'a partio sensa n-a palanca,
l'a z trent'anni, forse anche ci.
O l'aveiva lottou pe mette i din a-a banca
e poisene n giorno vegn in z
e fse a palassinn-a e o giardinetto,
e o rampicante, co-a cantinn-a e o vin,
e a branda attacc a-i rboi, a so letto,
pe daghe 'na schen sia e mattin.
Ma o figgio ghe dixeiva: "No ghe pens,
a Zena, cse ti ghe vu torn?"


Ma se ghe penso alloa mi veddo o m,
veddo i m monti e a ciassa da Nonsi,
riveddo o Righi e me s'astrenze o chu,
veddo a lanterna, a cava, lazz o mu.
Riveddo a sia Zena illmin,
veddo l a foxe e sento franze o m
e alloa mi penso ancon de ritorn
a ps e osse dov' a m madonn.

E l'a passou do tempo, forse troppo,
o figgio o l'inscisteiva: "Stemmo ben,
dove ti vu and, pap? Pensiemo doppo,
o vigio, o m, t' vgio, no conven!"
"Oh no! me sento ancon in gamba,
son stffo e no ne posso prprio ci,
son stanco de sent 'seor....caramba',
mi vuggio ritornamene ancon in z.
Ti t' nascio e t' parlou spagnollo,
mi son nascio zeneize....e no me mollo!"


Ma se ghe penso alloa mi veddo o m,
veddo i m monti e a ciassa da Nonsi,
riveddo o Righi e me s'astrenze o chu,
veddo a lanterna, a cava, lazz o mu.
Riveddo a sia Zena illmin,
veddo l a foxe e sento franze o m,
alloa mi penso ancon de ritorn
a ps e osse dov' a m madonn.


Havia partido sem um tosto,
faziam j trinta anos, talvez tambm mais.
Havia lutado para depositar o dinheiro no banco
e poder um dia vir pra c
e construir o palacete e o jardimzinho,
e a trepadeira, com a cantina e o vinho,
e a rede pendurada nas arvores a uso cama,
para dar uma descansada a noite e de manh.
Mas o filho lhe dizia: "No pensar nisso,
a Genova, porque queres voltar l?"


Mas se penso nisso ento eu vejo o mar,
vejo as montanhas e a praa da Nunziata,
revejo Righi e aperta o meu corao,
vejo a lanterna, a cava, l em baixo o cais.
Revejo de noite Genova iluminada,
vejo l a foz e sinto rebentar o mar
e ento eu penso ainda de voltar
a pousar os meus ossos onde est minha av.

E havia passado o tempo, talvez demais,
o filho insistia: "Estamos bem,
onde queres ir, papai? Pensaremos depois,
a viagem, j s velho, no vale a pena!"
"Oh no! me sinto ainda com sade,
estou cansado e no agento mesmo mais,
estou cansado de ouvir 'seor....carramba',
eu quero voltar ainda l.
Tu nasceste e falaste espanhol,
eu nasci genovs....e no desisto!"


Mas se penso nisso ento eu vejo o mar,
vejo as montanhas e a praa da Nunziata,
revejo Righi e aperta o meu corao,
vejo a lanterna, a cava, l em baixo o cais.
Revejo de noite Genova iluminada,
vejo l a foz e sinto rebentar o mar
e ento eu penso ainda de voltar
a pousar os meus ossos onde est minha av.