Musica Italiana

L'Immigrante Italiano

( Execução: Gruppo Vecchio Scarpone )
( Autoria: Anonimo - 1953 )

Original em italiano Tradução

L'immigrante italiano che in America arrivò,
un sacchetto sulle spalle solamente si portò.
Piano, piano, poveretto, la famiglia sua fondò,
notte e giorno a lavorare e il lavor mai lo stancò.

Ed or che l'immigrante è vecchierello
coi figli che in America ci ha,
senza dimenticare il paesello
dove spera un giorno ritornar.

L'America, l'America, terra di libertà,
ognuno che ci ha i figli si deve rispettar!
L'America, l'América, si deve aver l'onor,
sol la bella nostra Italia non possiamo mai scordar!
Sol la bella nostra Italia non possiamo mai scordar!


Ponti, strade, le miniere, ferrovie, egli impiantò,
del vecchietto italiano ne conoscono il sudor.
Ogni figlio d'italiano qui in America lo sa,
sia dottore, sia avvocato tutto deve al suo papà

E voi vecchierelli lo sapete
che i vostri nomi sempre avanti van.
La vostra gioventù vi è andata bene
in questa terra di felicità.

L'America, l'America, terra di libertà,
ognuno che ci ha i figli si deve rispettar!
L'America, l'América, si deve aver l'onor,
sol la bella nostra Italia non possiamo mai scordar!
Sol la bella nostra Italia non possiamo mai scordar!


Ponti, strade, le miniere, ferrovie, egli impiantò,
del vecchietto italiano ne conoscono il sudor.
Ogni figlio d'italiano qui in America lo sa,
sia dottore, sia avvocato tutto deve al suo papà

E voi vecchierelli lo sapete
che i vostri nomi sempre avanti van.
La vostra gioventù vi è andata bene
in questa terra di felicità....

L'America, l'America, terra di libertà,
ognuno che ci ha i figli si deve rispettar!
L'America, l'América, si deve aver l'onor,
sol la bella nostra Italia non possiamo mai scordar!
Sol la bella nostra Italia non possiamo mai scordar!



O imigrante italiano que na América chegou,
um saquinho sobre os ombros somente carregou.
Lentamente, lentamente, pobrezinho a sua família criou,
noite e dia a trabalhar e o trabalho nunca o cansou.

E agora que o imigrante é velhinho
com os filhos que na América tem,
sem esquecer a cidadezinha
onde espera um dia retornar.

A América, a América, terra de liberdade,
cada um que lá tem filhos se deve respeitar!

A América, a América, se deve ter honra,
só a nossa bela Itália não podemos nunca esquecer!

Só a nossa bela Itália não podemos nunca esquecer!

Pontes, estradas, as minas, ferrovias, ele implantou,
do velhinho italiano é conhecido o suor.
 Cada filho de italiano aqui na América o sabe,
seja doutor, seja advogado tudo deve ao seu papai.

E vós velhinhos sabeis
que os vossos nomes sempre adiante irão.
A vossa juventude foi boa
nessa terra de felicidade.

A América, a América, terra de liberdade,
cada um que lá tem filhos se deve respeitar!

A América, a América, se deve ter honra,
só a nossa bela Itália não podemos nunca esquecer!

Só a nossa bela Itália não podemos nunca esquecer!

Pontes, estradas, as minas, ferrovias, ele implantou,
do velhinho italiano é conhecido o suor.
 Cada filho de italiano aqui na América o sabe,
seja doutor, seja advogado tudo deve ao seu papai.

E vós velhinhos sabeis
que os vossos nomes sempre adiante irão.
A vossa juventude foi boa
nessa terra de felicidade.

A América, a América, terra de liberdade,
cada um que lá tem filhos se deve respeitar!

A América, a América, se deve ter honra,
só a nossa bela Itália não podemos nunca esquecer!

Só a nossa bela Itália não podemos nunca esquecer!