Musica Italiana

L'hai voluto te

( Canta: Renato Carosone )
( Autores: G. Cioffi - G. Pisano - 1936 )
( Conhecida também como: Alla faccia tua )

Original parcialmente em dialeto napolitano Tradução

Canta Napoli!
Napoli a dispetto!
Eh! Eh!

Si' me vid'e suspira' che te po' 'mpurta',
non sospiro mai per te, penso solo a me.
M'hai mandato un bel biglietto,
nel biglietto c'era scritto:
"Io me so' scucciato 'e te',
nun te voglio più vede'".

E allo',
e... e... e...uei!
E allora,
con la bionda e con la nera,
ogni sera, ogni sera
me ne vado a passeggiar.

Alla faccia tua!
No, alla faccia tua!
Alla faccia tua!
No, no, no, no,
alla faccia vostra!

Con la bionda e con la nera
me ne vado a passeggia'.
Embe', embe',
l'hai voluto te!
Essì, essì,
t'aggia fa' muri', sì, sì.

Mi dicevi: "Ué, Nico', non ti lascerò!"
Tutto 'nzieme, nè che re'?
Tu ti stufi 'e me e mi mandi il mio ritratto
dietro il quale trovo scritto:
"Addo vaje, brutto, bru'?
Nun ti far vedere più!"

Alla faccia tua!
No, alla faccia tua!
Alla faccia tua!
No, alla faccia vostra!
Con la bionda e con la nera
me ne vado al cinemà.

Sì, me ne vado al cinemà, al cabaret.
Dove vuoi andare tu?
A casa devi rimanere!
Come? Vuoi andare al casinò?
No, io vado al casinò a giocare
lo scemente di ferro.

Eh, eh, mi fai ridere!
Tu me fai muri' a me?
Tu me fai muri' a me?
Tu me fai muri' a me?
No, io te faccio muri' a te!

E allora, con la bionda e con la nera,
ogni sera, ogni sera
me ne vado al cabaret,
me ne vado al cinemà
e poi vado a passeggia',
e poi vado a fatica'.

Nè, ma a me chi m'o ffa fa'?
Io mi faccio un baccarà
dentro al casinò.
E mò sapite che aite a fa'?
Jateve a cucca'!!


Canta Nápoles!
Nápoles provocante!
He! He!

Se tu me vês suspirar não te preocupar,
não suspiro nunca por ti, penso somente em mim.
Me enviaste um belo bilhete,
no bilhete estava escrito:
"Eu me cansei de ti,
não quero mais ver-te'".

E aí,
e... e... e...aí!
E aí,
com a loira e com a morena,
todas as noites, todas as noites
eu vou passear.

Na tua cara!
Não, na tua cara!
Na tua cara!
Não, não, não, não,
na tua cara!

Com a loira e com a morena
eu vou passear.
E aí, e aí,
tu quiseste isso!
E sim, e sim,
devo fazer-te morrer, sim, sim.

Tu me dizias: "Oi Nicola, não te deixarei!"
De repente, que significa?
Tu cansas de mim e me envia o retrato
e atrás dele está escrito:
"Onde estás indo, homem feio, feio?
Não aparecer nunca mais!"

Na tua cara!
Não, na tua cara!
Na tua cara!
Não, na tua cara!
Com a loira e com a morena
eu vou ao cinema.

Sim, eu vou ao cinema, ao cabaré.
Onde tu queres ir?
Em casa deves ficar!
Como? Queres ir ao cassino?
Não, eu vou ao cassino pra jogar
a bacará.

He, he, me fazes rir!
Tu me fazes morrer?
Tu me fazes morrer?
Tu me fazes morrer?
Não, eu que te faço morrer!

E então, com a loira e com a morena,
todas as noites, todas as noites
eu vou ao cabaré,
eu vou ao cinema
e depois vou a passear,
e depois vou a trabalhar.

Oi, mas quem ordenou isso?
Eu faço um bacará
dentro do cassino.
E agora sabes o que deves fazer?
Vai dormir!!