Musica Italiana

La pianola stonata

( Canta: Katyna Ranieri )
( Autores: De Mura - Gigante - 1953 )

Original em italiano Tradução

Chi dice che il cuor non invecchia,
che ha sempre vent'anni, s'illude, perchè
il passato è una breve tastiera,
ogni tasto è una nota che muore.

Ed una pianola rispecchia
l'amore e gli affanni che vivono in me.
Nel rimpianto di tante canzoni,
v'è il ricordo d'un dolce abbandono.

Vecchia pianola d'un tempo, d'un tempo passato,
pur se la voce tartaglia e una nota è stonata,
ogni canzone s'invola sul tasti ammuffiti,
per ricordarmi qualcosa che è già tramontata.

Con le trecce e i calzoni a campana,
che balletti, che dispetti!
Nostalgia di una stretta di mano,
una stretta che è ancora nel cuor.

Vecchia pianola d'un tempo,
d'un tempo passato,
sulla tastiera dei sogni
è volata una vita.

Tristezza del tempo che vola,
che vola e distrugge la forza ch'è in me.
È la vita che passa e divora,
e consuma ogni cosa in un'ora.

Andiamo, mia bella pianola,
chè il tempo che fugge non torna, perchè,
a braccetto pian piano per via,
canteremo con malinconia.

Vecchia pianola d'un tempo,
d'un tempo passato,
tu mi ricordi il bel tempo,
il bel tempo che fu.


Quem diz que o coração não envelhece,
que tem sempre vinte anos, se ilude, porque
o passado é um breve teclado,
cada tecla é uma nota que morre.

E uma pianola reflete
o amor e as angustias que vivem em mim.
Na saudade de tantas canções,
há a lembrança de um doce abandono.

Velha pianola de um tempo, de um tempo passado,
também se a voz gagueja e uma nota é desafinada,
cada canção voa sobre as teclas mofentas,
para lembrar-me algo que já passou.

Com as tranças e as calças a campana,
que bailados, que despeitos!
Nostalgia de um aperto de mão,
um aperto que está ainda no coração.

Velha pianola de um tempo,
de um tempo passado,
sobre o teclado dos sonhos
voou uma vida.

Tristeza do tempo que voa,
que voa e destrói a força que há em mim.
É a vida que passa e devora,
e consome cada coisa numa hora.

Vamos, minha bela pianola,
que o tempo que foge não volta, porque,
de braço dado devagarzinho pela rua,
cantaremos com melancolia.

Velha pianola de um tempo,
de um tempo passado,
tu me lembras o belo tempo,
o belo tempo que foi.