Musica Italiana

Lacreme Napulitane

( Canta: Massimo Ranieri )
( Autores: Bovio - Buongiovanni - 1925 )

Original em dialeto napolitano Tradução

Mia cara madre,
sta pe' trasí Natale,
e a stá luntano cchiù mme sape amaro
Comme vurría appiccia' duje o tre biangale,
comme vurría sentí nu zampugnaro!

A 'e ninne mieje facitele 'o presebbio
e a tavula mettite 'o piatto mio,
facite, quann'è 'a sera d''a Vigilia
comme si 'mmiez'a vuje stesse pur'io

E nce ne costa lacreme st'America
a nuje Napulitane!
Pe' nuje ca ce chiagnimmo 'o cielo 'e Napule,
comm'è amaro stu ppane!


Mia cara madre,
che só, che só 'e denare?
Pe' chi se chiagne 'a Patria, nun só niente!
Mo tengo quacche dollaro, e mme pare
ca nun só' stato maje tanto pezzente!

Mme sonno tutt''e nnotte 'a casa mia
e d''e ccriature meje ne sento 'a voce,
ma a vuje ve sonno comm'a na "Maria"
cu 'e spade 'mpietto, 'nnanz'ô figlio 'ncroce!

E nce ne costa lacreme st'America
a nuje Napulitane!
Pe' nuje ca ce chiagnimmo 'o cielo 'e Napule,
comm'è amaro stu ppane!


Mm'avite scritto
ch'Assuntulella chiamma
chi ll'ha lassata e sta luntana ancora.
Che v'aggi''a dí? Si 'e figlie vònno 'a mamma,
facítela turná chella "signora".

Io no, nun torno...mme ne resto fore
e resto a faticá pe' tuttuquante.
I', ch'aggio perzo casa, Patria e onore,
i só carne 'e maciello: Só emigrante!

E nce ne costa lacreme st'America
a nuje Napulitane!
Pe' nuje ca ce chiagnimmo 'o cielo 'e Napule,
comm'è amaro stu ppane!



Minha cara mãe,
está para chegar o Natal,
e estar longe é mais amargo
Como queria acender dois ou três castiçais,
como queria ouvir um tocador de gaita de foles!

Aos meus filhinhos faça-lhes o presépio
e na mesa coloque o meu prato,
faça, quando for a noite da Vigília,
como se entre vós estivesse também eu

E nos custa lágrimas esta América
a nós Napolitanos!
Para nós aqui que choramos o céu de Nápoles,
como é amargo este pão!


Minha cara mãe,
Que é, que é o dinheiro?
Para quem chora a Pátria, não é nada!
Agora tenho alguns dólares, e me parece
que nunca fui tanto miserável!

Sonho todas as noites com a minha casa
e das minhas crianças ouço a voz,
mas sonho você como uma "Maria"
com espadas no peito, defronte ao filho na cruz!

E nos custa lágrimas esta América
a nós Napolitanos!
Para nós aqui que choramos o céu de Nápoles,
como é amargo este pão!


Me tens escrito
que a pequena Assunta chama
quem a deixou e que está distante ainda.
Que posso dizer? Se os filhos querem a mãe,
faça-a voltar aquela "senhora".

Eu não, não volto… permaneço fora
e continuo a trabalhar pra todos.
Eu, que perdi casa, Pátria e honra,
eu sou carne de açougue: Sou emigrante!

E nos custa lágrimas esta América
a nós Napolitanos!
Para nós aqui que choramos o céu de Nápoles,
como é amargo este pão!