Musica Italiana

La Caccavella

( Canta: Aurelio Fierro )
( Autor: C. Concina - 1950 )
( Conhecida também como: "Ho comprato la Caccavella" )

A Caccavella é um antigo instrumento musical napolitano composto por um cilindro de metal com o fundo fechado e a parte superior fechada por uma pele de tambor. No centro da pele é enfiada um bastão que o tocador movimenta ritmicamente com o punho para baixo e para cima causando um som característico e vibrante. Praticamente o instrumento pode ser comparado à "Cuica" brasileira, também se esta ultima possui características diferentes.

Original em meio dialeto napolitano Tradução

Ho comprato la caccavella,
ho comprato la caccavella,
la caccavella,
per amore della mia bella,
per amore della mia bella.
Della mia bella!

Se la luna mi guarda e balla
con quel viso di pastafrolla,
di pastafrolla,
me ne infischio pure di quella,
canto questa serenatella
alla mia bella.

Dimme, dimme, chi t'ha fatto,
chi ha commesso stu delitto.
Io só' cotto, só' stracotto,
faccio ll'uocchie 'e pesce fritto!

Pure 'a notte, dint''o lietto,
mm'arrevoto, zompo e scatto.
Io pe' te mme comprometto!
Parola d'onor! Parola d'onor!

Sóngo stato da lu curato,
sòngo stato da lu curato,
gli ho confessato
che, per colpa della mia bella,
io mme sfogo cu 'a caccavella!
Cu 'a caccavella!

Mm'ha risposto lu buon curato:
"Tu, fratello, sei rovinato,
tu sei inguajato,
nell'amore ci vuol pazienza,
devi fare la penitenza,
tre giorni senza...!"

Dimme, dimme, chi t'ha fatto,
chi ha commesso stu delitto.
Io só' cotto, só' stracotto,
faccio ll'uocchie 'e pesce fritto!

Pure 'a notte, dint''o lietto,
mm'arrevoto, zompo e scatto.
Io pe' te mme comprometto!
Parola d'onor! Parola d'onor!

Se tu vuó' te dóngo tutto,
pure 'o core ca sta 'mpietto
io t''o metto dint''o piatto,
Domenicantò'! Domenicantò'!

Parola d'onor!
Parola d'onor!
Parola d'onor!


Comprei a caccavella,
comprei a caccavella,
a caccavella,
por amor da minha bela,
por amor da minha bela.
Da minha bela!

Se a lua me olha e dança
com aquela cara de bolo,
de bolo,
nem ligo com ela,
canto esta serenata
para a minha bela.

Diz-me, diz-me, quem te gerou,
quem cometeu este crime.
Eu estou cozido, sou cozido demais,
faço os olhos de peixe frito!

Também de noite, dentro da cama,
me reviro, pulo e salto.
Eu para ti me comprometo!
Palavra de honra! Palavra de honra!

Fui falar com o padre,
fui falar com o padre,
lhe confessei
que, por culpa da minha bela,
eu desabafo com a caccavella!
Com a caccavella!

Me respondeu o bom padre:
"Tu, irmão, estás perdido,
estás em sarilhos,
no amor é preciso ter paciência,
deves fazer a penitencia,
três dias sem.....!"

Diz-me, diz-me, quem te gerou,
quem cometeu este crime.
Eu estou cozido, sou cozido demais,
faço os olhos de peixe frito!

Também de noite, dentro da cama,
me reviro, pulo e salto.
Eu para ti me comprometo!
Palavra de honra! Palavra de honra!

Se tu queres e dou tudo,
também o coração que esta no peito
te o ofereço dentro de um prato,
Domenica Antonia! Domenica Antonia!

Palavra de honra!
Palavra de honra!
Palavra de honra!