Musica Italiana

Il Passatore

( Execução e canto: Orchestra Casadei )
( Autor: Raul Casadei - 1973 )

A musica conta uma das mais conhecidas empresas do bandido Stefano Pelloni (1824-1851) mais conhecido como "Il Passatore". O mesmo grande poeta Giovanni Pascoli em sua poesia "Romagna" se refere a ele como "Il Passator cortese" (O Passador gentil) por causa da sua legendária generosidade, pois parece que roubasse aos ricos para doar aos pobres, também se não existem provas documentais que o afirmem com certeza. O apelido "Il Passatore" foi herdado do pai que era o barqueiro que levava as pessoas de uma margem para a outra do rio Lamone. Esta profissão o colocou em contato com inúmeros contrabandistas, ladrões e bandidos que naquele período atravessavam as terras dá Romagna, coisa esta que certamente influenciou sua passagem para a criminalidade. Evadido da prisão, onde descontava a pena por homicídio culposo, organizou um bando audacioso que operou por três anos nas Terras Pontifícias prevalecendo sempre contra a polícia pontifícia. Entre as empresas mais famosas está aquela de Forlimpopoli que é exatamente o tema desta musica. Sua atividade terminou em março de 1851 quando, traído por um seu homem, foi encontrado numa cabana pela policia pontifícia e foi morto durante o tiroteio.

Original em italiano Tradução

Il Passatore

Questa è la triste storia di Stefano Pelloni,
in tutta la Romagna chiamato il Passatore.
Odiato dai signori, amato dalle folle,
dei cuori femminili incontrastato re.

Su Forlimpopoli è scesa la notte,
il cielo è cupo e pieno di pioggia.
Tutta la gente già chiusa in teatro,
lungo le mura serpeggia il mistero.

C'è l'intervallo, poi s'alza il sipario,
si sente un urlo, si leva il terrore.
Fra dieci uomini, in mezzo alla scena,
spunta la sagoma del Passatore.

Questa è la triste storia di Stefano Pelloni,
in tutta la Romagna chiamato il Passatore.
Odiato dai signori, amato dalle folle,
dei cuori femminili incontrastato re.

Con un sorriso saluta la folla,
poi guarda i palchi dei ricchi padroni.
Li vuole tutti inchinati ai suoi piedi
in compagnia di venti scudoni.

Ad uno ad uno gli portano i soldi,
nel loro cuore c'è l'odio e il terrore.
E una fanciulla dagli occhi di mare
chiama il Pelloni gettandogli un fiore.

Questa è la triste storia del Passator Cortese
che sul Lamone un giorno morì per tradimento.
Portato lungo i borghi per farlo disprezzare
ci fu per lui chi pianse, chi un fiore gli gettò.


O Passatore

Esta é a triste história de Stefano Pelloni,
em toda a Romagna chamado o Passatore.
Odiado pelos ricos, amado pelas multidões,
dos corações femininos incontestado rei.

Sobre Forlimpopoli desceu a noite,
o céu é escuro e cheio de chuva.
Todas as pessoas já estão fechadas no teatro,
ao longo dos muros serpenteia o mistério.

Chega o intervalo, depois se levanta o telão,
se ouve um grito, explode o terror.
Entre dez homens, no meio da cena,
aparece a figura do Passatore.

Esta é a triste história de Stefano Pelloni,
em toda a Romagna chamado o Passatore.
Odiado pelos ricos, amado pelas multidões,
dos corações femininos incontestado rei.

Com um sorriso saúda a multidão,
depois olha para os palcos dos ricos patrões.
Quer todos inclinados aos seus pés
em companhia de vinte escudos de ouro.

Um a um lhe levam o dinheiro,
em seus corações há ódio e terror.
E uma donzela com os olhos de mar
chama o Pelloni lançando-lhe uma flor.

Esta é a triste história do Passator Cortese
que no Lamone um dia morreu por traição.
Levado pelos bairros para fazer-lo desprezar
teve quem por ele chorou, quem uma flor lhe lançou.