Musica Italiana

Gigolò

( Canta: Daniele Serra )
( Autores: Casucci - Frati - 1929 )

Agradeço profundamente o meu queridíssimo amigo Giovanni por ter-me enviado esta bela musica.
Rússia, inícios do XX século. Lênin (Vladimir Ulianov) era um expoente da pequena nobreza terreira que se tornou um dos lideres do partido bolchevista. Ele sustentava que a revolução aconteceria nos países mais pobres por causa das insustentáveis condições de vida dos trabalhadores. Esta elaboração do pensamento foi depois chamada de marxismo-leninismo. A nova sociedade nascida dá revolução se basearia sobre a ditadura do proletariado (ou seja no domínio de tal classe social sobre as outras, que acabariam por desaparecer) e sobre a coletivização dos meios de produção. A coletivização deveria interessar também as terras resgatadas por milhões de camponeses depois da abolição dos servos da gleba. Portanto se prospectava uma sociedade sem propriedade privada, sem classes sociais e religião. Durante o inverno 1916-1917 ocorreu uma grande carestia e muitas cidades ficaram sem alimentos. A fome provocou levantes populares e desordens. Em fevereiro de 1917 violentas demonstrações operarias contra o governo imperial explodiram em Pietrogrado. Foi esta a primeira fase da revolução, a chamada revolução de Fevereiro que desembocou depois na definitiva revolução de Outubro. O imperador "Nicola II" foi forçado a abdicar em favor do irmão Michele, que porem recusou de assumir o poder. Acabou assim o grande império dos Czar.

Original em italiano Tradução

Chi riconosce nel mesto danzatore
l’ufficialetto protetto dallo Zar?
Del tabarin fu, in quel tempo, gran signore,
or, per mestier, le dame fa danzar.

Per la sua terra pugnò da valoroso,
ma quando ahimè la rivolta la straziò,
l’ufficialetto orgoglioso
divenne un gigolò.

Ridi gigolò, danza gigolò,
che per questo sei pagato,
oggi non sei più quel che un giorno fu
il bell’ussero adorato.

Tutto ormai crollò, lo splendor passò,
ma a che serve ricordare, taci a tutti
il dolor che ti spezza in petto il cuor,
sorridi e fa’ danzare!

Lá dalla Russia sconvolta da quel dramma,
sopra una slitta di notte via fuggì
stringendo al seno la povera sua mamma
che nell’esilio triste lo seguì.

Quale contrasto tra oggi ed il passato!
Nei tabarin ove prima egli regnò,
la notte or passa svogliato
da umile gigolò.

Ridi gigolò, danza gigolò,
che per questo sei pagato,
oggi non sei più quel che un giorno fu
il bell’ussero adorato.

Tutto ormai crollò, lo splendor passò,
ma a che serve ricordare, taci a tutti
il dolor che ti spezza in petto il cuor,
sorridi e fa’ danzare.

Ridi gigolò, danza gigolò,
che per questo sei pagato,
oggi non sei più quel che un giorno fu
il bell’ussero adorato.

Ridi gigolò, danza gigolò,
non si cambia il tuo destino,
se finì il tuo splendor,
ti rimane un gran tesor:

L’amor della tua mamma!


Quem reconhece no triste dançarino
o jovem oficial protegido pelo Czar?
Dá boate foi, naquele tempo, grande senhor,
agora, por profissão, as damas faz dançar.

Pela sua terra combateu como valoroso,
mas quando, ai de mim, a revolta a devastou,
o jovem oficial orgulhoso
tornou-se um gigolô.

Ri gigolô, dança gigolô,
que para isso és pago,
hoje não és mais aquele que um dia foi
o belo ussaro adorado.

Tudo já desabou, o esplendor passou,
mas a que serve relembrar, esconde a todos
a dor que te parte no peito o coração,
sorri e faz dançar!

Lá da Rússia assolada por aquele drama,
sobre um trenó de noite fugiu para longe
apertando ao peito a pobre sua mamãe
que no exílio triste o seguiu.

Qual contraste entre hoje e o passado!
Nas boates onde antes ele reinou,
a noite agora passa sem vontade
como humilde gigolô.

Ri gigolô, dança gigolô,
que para isso és pago,
hoje não és mais aquele que um dia foi
o belo ussaro adorado.

Tudo já desabou, o esplendor passou,
mas a que serve relembrar, esconde a todos
a dor que te parte no peito o coração,
sorri e faz dançar!

Ri gigolô, dança gigolô,
que para isso és pago,
hoje não és mais aquele que um dia foi
o belo ussaro adorado.

Ri gigolô, dança gigolô,
não se muda o teu destino
se acabou o teu esplendor,
te sobra um grande tesouro:

O amor da tua mamãe!