Musica Italiana

Firenze

( Canta: Odoardo Spadaro )
( Autor: Odoardo Spadaro - 1940 )

Original em dialeto toscano Tradução

Firenze,
città di ingegni arditi,
la vive in una culla di colli
che son sempre, sempre fioriti.

Chi c'ha la sua francese,
chi c'ha la sua australiana
e poi c'è chi c'ha l'inglese
oppur l'americana.

Io c'ho la mi' biondona,
la 'un sarà scicche, l'è forse una ciartrona,
però l'adoro senza reticenze, bah,
e perchè l'è come me, l'è di Firenze.

Firenze,
città delle colline,
in un punto che c'ha in piano
c'è un bosco che si chiama, chiama Cascine.

Chi va con la vettura,
chi va con il cavallo
e che il cielo sia coperto
o sotto un tramonto giallo.

Io vo, come tu vedi,
vo alle Cascine e ci vo sempre a piedi,
l'aspetto e viene piena di movenze
come fan le donnine di Firenze.

Firenze,
città di Vial dei Colli,
nel mezzo al gran piazzale
ci passan tanti furbi e tanti polli.

Chi va pei panorama
e chi va far all'amore,
ma c'è chi i spini passa
e gli si schianta il core.

E passa tra tante voci
e dicon: Guarda e va i' Monte alle Croci.
Cappelli in mano, quattro riverenze
sotto un tramonto rosso di Firenze.

Firenze,
città dove son nato,
non so per qual ragione,
se 'un ti rivedo un pò, son disperato.

Scrissi questa canzone
e tanti l'hanno cantata,
però co' il mi' vocione
e la 'un s'era registrata.

Certo, non so un tenore
ma pe' Firenze esturo la passione
e il disco che ho cantato con amore
li è della casa "Voce di' Padrone".


Florença,
cidade de engenhos brilhantes,
vive num berço de colinas
que são sempre, sempre floridas.

Há quem tem a sua francesa,
quem tem a sua australiana
e depois há quem tem a inglesa
ou a americana.

Eu tenho a minha loirona,
não será chique, é talvez uma desarranjada,
porem adoro-a sem reticências, bom,
porque é uma como eu, é de Florença.

Florença,
cidade das colinas,
num lugar que é plano
há um bosque que chama-se, chama-se Cascine.

Quem vai com o carro,
quem vai com o cavalo,
e que o céu seja coberto
o sob um por-do-sol amarelo.

Eu vou, como pode ver,
vou para as Cascine e vou lá sempre a pés,
espero e ela vem cheia de rebolados
como fazem as mulheres de Forença.

Florença,
cidade da Rua das Colinas,
no meio da grande praça
passam muitos expertos e tantos patos.

Quem vai para o panorama
e quem vai para namorar,
mas ha quem por penas passa
e o seu coração fica despedaçado.

E passa entre tantas vozes
que dizem: Olha, vai para o Monte Croci.
Chapéu na mão, quatro reverências
sob um por-do-sol vermelho de Florença.

Florença,
cidade onde eu nasci,
não sei por qual motivo,
se não te revejo um pouco, fico desesperado.

Escrevi esta musica
e muitos a cantaram,
porem com a minha voz
não havia-a gravada.

Certamente, não sou um tenor
mas para Florença tenho a paixão
e o disco que cantei com amor
é da Casa Voce del Padrone.