Musica Italiana

Fili d'oro

( Canta: Claudio Villa )
( Autores: Buongiovanni - G. Capurro - 1912 )

Original em italiano Tradução

Quando Rosa torna dal villaggio
sola sola e mesta in volto,
io la seguo, ma non ho coraggio
di pregarla a darmi ascolto.

Dolce è la sera
e lunga è la via,
a farla insieme
men lunga saria.

Son fili d’oro i suoi capelli biondi
e la boccuccia odora,
gli occhi suoi belli sono neri e fondi
e non mi guarda ancora.

Ho parlato al nostro buon curato
che m'ha detto: "Figliol mio,
se l’amore in te non è peccato
sarà pago il tuo desio".

Arde il mio core
ma pura è la fiamma,
amo lei sola,
la casa e la mamma.

Son fili d’oro i suoi capelli biondi
e la boccuccia odora,
gli occhi suoi belli sono neri e fondi
e non mi guarda ancora.

E l'ho vista uscir dalla chiesetta
con un aria di mistero,
io le ho porto l’acqua benedetta,
m'ha sorriso e non par vero.

"Che buon curato"
m'ha detto passando,
ed io le ho chiesto:
"Ma quando, ma quando?"

Son fili d’oro i suoi capelli biondi
e la boccuccia odora,
gli occhi suoi belli sono pìù profondi
or che mi guarda ancora.

Mentre la stringo
lei sussurra:"T'amo",
ed io rispondo:
"Io moro".


Quando Rosa volta do vilarejo
sozinha sozinha e triste no rosto,
eu a sigo, mas não tenho a coragem
de pedir-lhe para escutar-me.

Doce é a noite
e longo é o caminho,
a fazê-lo juntos
menos longo seria.

São fios de ouro os seus cabelos loiros
e a boquinha perfuma,
os olhos seus belos são negros e profundos
e não me olha ainda.

Falei com o nosso bom pároco
que me disse: "Filho meu,
se o amor em ti não é pecado
será pago o teu desejo".

Queima o meu coração
mas pura é a flama,
amo ela somente,
a casa e a mamãe.

São fios de ouro os seus cabelos loiros
e a boquinha perfuma,
os olhos seus belos são negros e profundos
e não me olha ainda.

E a vi sair dá igrejinha
com um ar de mistério,
eu lhe passei a água benta,
me sorriu e não me parece verdade.

"Que bom pároco"
me disse passando,
e eu lhe perguntei:
"Mas quando, mas quando?"

São fios de ouro os seus cabelos loiros
e a boquinha perfuma,
os olhos seus belos são mais profundos
agora que já me olha.

Enquanto a abraços
ela sussurra:"Te amo",
e eu respondo:
"Eu morro".