Musica Italiana

Fenesta vascia

( Canta: Roberto Murolo )
( Autores: G. L. Cottrau - G. Genoino - 1854 )

Original em dialeto napolitano Tradução

Fenesta vascia 'e padrona crudele,
quanta suspire mm'haje fatto jettare.
Mm'arde sto core, comm'a na cannela,
bella, quanno te sento annommenare.

Oje, piglia la 'sperienza de la neve,
la neve è fredda e se fa maniare,
e tu comme si' tanta aspra e crudele,
muorto mme vide e nun mme vuó' ajutare.

Vorría addeventare no picciuotto,
co na langella a ghire vennenn'acqua,
pe' mme ne jí da chisti palazzuotte.
Belli ffemmene meje, ah, chi vó' acqua?

Se vota na nennella de llá 'ncoppa:
Chi è 'sto ninno ca va vennenn'acqua?
E io responno, co' parole accorte:
Só' lacreme d'ammore e non è acqua!


 Janela baixa de patroa cruel,
quantos suspiros me fizeste tirar.
Me queima o coração, como uma vela,
bela, quando ouço nomear-te.

Vê, pega a experiência da neve,
a neve é fria e faz esfregar as mãos,
e tu que és tanto áspera e cruel,
me vês morto e não queres ajudar-me.

Queria tornar-me um menino
com um balde indo a vender água,
para fugir destes prédios.
Belas mulheres minhas, ah, quem quer água?

Se vira uma garota de lá de cima:
Quem é este garoto que está vendendo água?
E eu respondo, com palavras espertas:
São lágrimas de amor e não é água!