Musica Italiana

Faceva il "palo"

( Canta: Nanni Svampa )
( Autores: W. Valdi - E. Jannacci - 1966 )
( Gostosa stira sobre a malandragem milanesa )

Original em dialeto milans Traduo

Faceva il "palo" nella banda dell'Ortiga,
a l'era sguerc, el ghe vedeva quasi p,
e l' st insc che i hann ciap senza fadiga,
i hann ciap tutt, ma prpi tutt, foeura che l.

Era l, fisso, che scrutava nella notte
quand gh' pass prpi davanti a l un pul,
insem a un ghisa, tri carraba e un metronotte,
gnanca una piega l l'ha f, gnanca un pliss.

Faceva il "palo"  nella banda dell'Ortiga,
faceva il "palo" perch l'era el s mest.

Istess, precis compagn de "quei de la Mascherpa",
hinn rest l, i s amis, in tel ved i pul
han dit: Ma come, bruta loeugia vaca porca,
ma il noster "palo", stu pistola, in d a l'?

Era l, fisso, che scrutava nella notte,
ha vist na gota ma, in compens, l'ha sent nient,
perch a vederci non vedeva un'autobotte
per a sentirci ghe sentiva un accident.

Faceva il "palo"  nella banda dell'Ortiga,
faceva il "palo" con passione e sentiment.

Ci sono stati pugni, spari, grida e botte,
i han men via che l'era gi quasi mezzd.
Lui sempre fisso, l a scrutare nella notte,
el ghe vedeva istess de ntt come del d.

Ancora adess l' l che scruta nella via,
la gent le ved, ghe d un cent lira e poeu la va.
Lui, circospetto, el guarda in giro poeu i a mett via
e poeu el borbotta, perch ormai l' un po' incass.

A l' incass con tutt la banda dell'Ortiga
perch lu 'l dis que se fa minga insc a rub.

El dis: Ma come, a mi me lascian qui di foera
e lor, le s el Senhor quand l' che vegnen su,
e poeu il bottino me lo porten su a cent lira.
Un toc per volta, a f insc finissum p!

Eh no, quest ch l' prpi un laur de chula,
mi sunt un "palo", mica um "pipa", e ghe sto p.
Mi vegni foeura da sta banda de pistola.
Int una banda insc scassada, cousa fou.

Mi vegni foeura della banda dell'Ortiga,
mi metto in proprio,
insc almen ghe pensi p!


Fazia o "olheiro" na quadrilha da Ortiga,
era cego, no enxergava quase mais nada,
e foi por isto que foram presos sem fatiga,
prenderam todos, todos mesmo, fora ele.

Estava l, parado, que escrutava na noite
quando passaram na sua frente um policial
junto com um vigilante, trs militares e um guarda-noturno,
ele no teve sequer um sobressalto, nem uma reao .

Fazia o "olheiro" na quadrilha da Ortiga,
fazia o "olheiro" porque era a sua profisso.

Assim, maravilhados como "aqueles da Mascherpa",
ficaram l, os seus amigos, quando viram os policiais
e disseram: Mas como, bruta velha, vaca, porca,
mas o nosso "olheiro", aquele idiota, onde est?

Estava l, parado, que escrutava na noite,
no viu nada mas, em compensao, no ouviu nada,
porque quanto a ver no enxergava um caminho-cisterna
porem quanto a ouvir no ouvia nadinha.

Fazia o "olheiro" na quadrilha da Ortiga,
fazia o "olheiro" com paixo e sentimento.

Teve socos, tiros, gritos e pancadas,
os levaram embora que era j quase meio dia.
Ele sempre l parado a escrutar na noite,
enxergava as mesmas coisas tanto de noite que de dia.

Ainda agora ele est l que escruta na rua,
a gente o v, lhe d cem pratas e depois prossegue.
Ele, circunspecto, olha ao redor e as coloca no bolso
e depois resmunga, porque j est um pouco irritado.

Est irritado com toda a quadrilha da Ortiga
porque ele pensa que no assim que se faz para roubar.

Ele diz: Mas como, me deixam aqui fora
e eles, s sabe o Senhor quando aparecem,
e depois me trazem o dinheiro de cem em cem pratas.
Um pouco de cada vez, fazendo assim no se termina mais!

Eh no, este aqui mesmo um trabalhar de incompetentes,
eu sou um "olheiro", no um "nada", e no aceito mais.
Eu saio desta quadrilha de desqualificados.
Numa quadrilha assim desorganizada, vou fazer o que?

Eu vou sair da quadrilha da Ortiga,
vou trabalhar sozinho,
assim pelo menos no pensarei mais nisso!