Musica Italiana

'E spingule frangese

( Canta: Giacomo Rondinella )
( Autores: S. Di Giacomo - E. De Leva - 1888 )

Original em dialeto napolitano Tradução

Nu juorno mme ne jètte da la casa,
jènno vennenno spíngule frangese.
Nu juorno mme ne jètte da la casa,
jènno vennnenno spíngule frangese.

Mme chiamma na figliola: Trase, trase,
quanta spíngule daje pe' nu turnese?
Mme chiamma na figliola: Trase, trase,
quanta spíngule daje pe' nu turnese?

Quanta spíngule daje pe' nu turnese?

Io, che sóngo nu poco veziuso,
sùbbeto mme 'mmuccaje dint'a 'sta casa.
Ah, chi vò belli spingule frangese!
Ah, chi vò belli spingule, ah, chi vò!

Ah, chi vò belli spingule frangese!
Ah, chi vò belli spingule ah, chi vò!

Dich'io: Si tu mme daje tre o quatto vase,
te dóngo tutt''e spíngule frangese.
Dich'io: Si tu mme daje tre o quatto vase,
te dóngo tutt''e spíngule frangese.

Pízzeche e vase nun fanno purtóse
e puo' ghiénchere 'e spíngule 'o paese.
Pízzeche e vase nun fanno purtóse
e puo' ghiénchere 'e spíngule 'o paese.

E puó ghiénchere 'e spíngule 'o paese.

Sentite a me, ca pure 'n Paraviso,
'e vase vanno a cinche nu turnese!
Ah, Chi vò' belli spíngule frangese!
Ah, Chi vò' belli spíngule, ah, chi vò!

Ah, chi vò belli spíngule frangese!
Ah, chi vò belli spíngule, ah, chi vò!"


Um dia deixei a minha casa,
fui vendendo alfinetes de segurança.
Um dia deixei a minha casa,
fui vendendo alfinetes de segurança.

Me chama uma moça: Entra, entra!
Quantos alfinetes me dás por um tornese?
Me chama uma moça: Entra, entra!
Quantos alfinetes me dás por um tornese?

Quantos alfinetes me dás por um tornese?

E eu que sou um pouco depravado,
logo me adentrei nesta casa.
Ah, quem quer belos alfinetes de segurança!
Ah, quem quer belos alfinetes, ah, quem quer!

Ah, quem quer belos alfinetes de segurança!
Ah, quem quer belos alfinetes, ah, quem quer!

Digo eu: Se tu me dás três ou quatro beijos
eu te dou todos os alfinetes de segurança.
Digo eu: Se tu me dás três ou quatro beijos
eu te dou todos os alfinetes de segurança.

Beliscões e beijos não deixam marcas
e tu podes encher de alfinetes todo o vilarejo.
Beliscões e beijos não deixam marcas
e tu podes encher de alfinetes todo o vilarejo.

E tu podes encher de alfinetes todo o vilarejo.

Escuta-me, pois também no Paraíso
cinco beijos custam um tornese.
Ah, quem quer belos alfinetes de segurança!
Ah, quem quer belos alfinetes, ah, quem quer!

Ah, quem quer belos alfinetes de segurança!
Ah, quem quer belos alfinetes, ah, quem quer!