Musica Italiana

Era de maggio

( Canta: Sergio Bruni )
( Autores: S. di Giacomo - M. P. Costa - 1885 )

Original em dialeto napolitano Tradução

Era de maggio e te cadéano 'nzino,
a schiocche a schiocche, li ccerase rosse.
Fresca era ll'aria, e tutto lu ciardino
addurava de rose a ciento passe.

Era de maggio, i' no, nun mme ne scordo,
na canzone cantávamo a doje voce.
Cchiù tiempo passa e cchiù mme n'arricordo,
fresca era ll'aria e la canzona doce.

E diceva: Core, core!
Core mio, luntano vaje,
tu mme lasse, i' conto ll'ore.
Chisà quanno turnarraje!

Rispunnev'i': Turnarraggio
quanno tornano li rrose.
Si stu sciore torna a maggio,
pure a maggio i' stóngo ccá.

Si stu sciore torna a maggio,
pure a maggio i' stóngo ccá.

E só turnato e mo, comm'a na vota,
cantammo 'nzieme lo mutivo antico.
Passa lu tiempo e lu munno s'avota,
ma 'ammore vero, no, nun vota vico.

De te, bellezza mia, mme 'nnammuraje,
si t'arricuorde, 'nnanz'a la funtana.
Ll'acqua, llá dinto, nun se sécca maje,
e ferita d'ammore nun se sana.

Nun se sana, ca sanata
si se fosse, gioja mia,
'mmiez'a st'aria 'mbarzamata,
a guardarte io nun starría!

E te dico: Core, core!
Core mio, turnato i' só'!
Torna maggio e torna 'ammore,
fa' de me chello che vuó!

Torna maggio e torna 'ammore,
fa' de me chello che vuó!


Era de maio e te caíam no colo,
a duas a duas, as cerejas vermelhas.
O ar era fresco, e todo o jardim
perfumava de rosas até cem passos.

Era de maio, eu não, não esqueço,
uma canção cantávamos a duas vozes.
Mais tempo passa e mais me lembro,
fresco era o ar e a canção doce.

E dizia: Coração, coração!
Coração meu, longe vais,
tu me deixas, eu contos as horas.
Quiçá quando voltarás!

Eu respondia: Voltarei
quando voltam as rosas.
Se esta flor volta em maio,
eu também em maio estarei aqui.

Se esta flor volta em maio,
eu também em maio estarei aqui.

E voltei, e agora, como uma vez,
cantamos juntos o motivo antigo.
Passa o tempo e o mundo muda,
mas o verdadeiro amor não, não muda estrada.

Por ti, beleza minha, me apaixonei,
se estás lembrando, na frente de uma fonte.
A água, lá dentro, não seca nunca,
e ferida de amor não sara.

Não sara, porque se sarada
tivesse, jóia minha,
neste ar perfumado,
a olhar-te eu não estaria!

E te digo: Coração, coração!
Coração meu, eu voltei!
Volta maio e volta o amor,
faz de mim aquilo que queres!

Volta maio e volta o amor,
faz de mim aquilo que queres!