Musica Italiana

El can de Trieste

( Canta: Lelio Luttazzi )
( Autor: Lelio Luttazzi - 1968 )

Original em dialeto triestino Tradução

Xe tanti ani ormai
che son lontan de ti
vecia Trieste mia.
Son restá solo e
gavevo voia de,
voia de compagnia.

Alora Trevisan
me ga mandà un bel can
nato in un'ostaria.
Però quel fiol de un can,
quel fiol de un can, de un can,
el iera sempre triste.

No'l me fazeva mai le feste
gnanca a mi che son el suo paron.
Alora go mandà una cartolina,
una cartolina de protesta.
Alora el mulo Trevisan me ga risposto,
el me ga spiegà perchè.

Solo davanti a un fiasco de vin
quel fiol de un can fa le feste,
perchè 'l xe un can de Trieste,
perchè 'l xe un can de Trieste.

Davanti a un fiasco de vin
quel fiol de un can fa le feste,
perchè 'l xe un can de Trieste
e ghe piasi el vin!

Da qualche mese in qua
a bever go impará,
come un fachin del porto.
E in sta maniera so
che un giorno sentirò
la mia campana a morto.

Ma chi se ne....pardon!
Che i fazi pur din-don
se morirò contento.
Perchè quel fiol de un can,
quel fiol de un can, de un can,
el xe cusì beato.

Adesso el me lecca come un mato
perchè spuzo sempre più de vin.
E so che 'l me vol ben, che go un amico
per la prima volta in vita mia.
E mi me basta un ano de sta bela vita
e po' sarà quel che sarà.

Solo davanti a un fiasco de vin
quel fiol de un can fa le feste,
perchè 'l xe un can de Trieste,
perchè 'l xe un can de Trieste.

Davanti a un fiasco de vin
quel fiol de un can fa le feste,
perchè 'l xe un can de Trieste
e ghe piasi el vin!

Perchè 'l xe un can de Trieste
e ghe piasi el vin. Si!
E ghe piasi el vin. Si!
E ghe piasi el vin. Si!

Viva là e po', bon!
Viva là e po', bon!


Há tantos anos já
que estou longe de ti
velha Trieste minha.
Fiquei sozinho e
sentia vontade de,
vontade de companhia.

Então Trevisan
me mandou um belo cão
nascido numa taberna.
Porem aquele filho de um cão,
aquele filho de um cão, de um cão,
era sempre triste.

Não me fazia nunca as festas
nem a mim que sou o seu patrão.
Então mandei um cartão postal,
um cartão postal de protesto.
Então o amigo Trevisan me respondeu,
e me explicou porque.

Somente na frente de um garrafão de vinho
aquele filho de um cão faz as festas,
porque é um cão de Trieste,
porque é um cão de Trieste.

Na frente de um garrafão de vinho
aquele filho de um cão faz as festas,
porque é um cão de Trieste
e gosta do vinho!

De uns meses para cá
a beber aprendi,
como um estivador do porto.
E deste jeito eu sei
que um dia ouvirei
o meu sino a finados.

Mas não me importa um.....desculpem!
Deixem que façam din-don
se morrerei contente.
Porque aquele filho de um cão,
aquele filho de um cão, de um cão,
é tão beato.

Agora me lambe que nem um doido
porque cheiro sempre mais de vinho.
E sei que me quer bem, que tenho um amigo
pela primeira vez na minha vida.
E me basta um ano desta bela vida
e depois será aquilo que será.

Somente na frente de um garrafão de vinho
aquele filho de um cão faz as festas,
porque é um cão de Trieste,
porque é um cão de Trieste.

Na frente de um garrafão de vinho
aquele filho de um cão faz as festas,
porque é um cão de Trieste
e gosta do vinho!

Porque é um cão de Trieste
e gosta do vinho. Si!
E gosta do vinho. Si!
E gosta do vinho. Si!

Viva lá e depois, bom!
Viva lá e depois, bom!