Musica Italiana

El Barbun di Navili

( Canta: Mimmo Dimiccoli )
( Autor: Mimmo Dimiccoli - 1975 )
( Canção popular milanesa que ganhou o Premio D'ANZI 1975/76 )

Original em dialeto milanês Tradução

Una nott, per amur disperà,
su la Ripa de Porta Cines.
Cun la nebia l'era el post ideal
per massam e levam un gran pes.

Scarsa la lus, un silensi murtal,
me porti giò a du pass dal canal.
Sari su i occ, me fu el segn de la Crus,
ma dal Navili ven su una vus.

Uè vigliacc, guardum mi, in des ann che sun chi,
sotta i punt, sensa un let nè una cà.
Per i donn a gu pu nient, vivi de carità,
ma l'è mej fa el barbun che crepà.

D'una roba sun sicur, te le dis un amis,
chi se cupa el va no in Paradis.
Dam a trat, va a durmì, te se giuin per murì,
fa no el stupid e ricordes de mi.

Senza nanca rispund scappi via,
cunt un frecc in di oss, stavi mal.
Ma el ciarin d'una vegia usteria,
de luntan el pareva ciamam.

Me infili denter, ancamò agità,
bevi ón grappin e ricóminci a fiadà.
L'ambient l’era pien, gh'era gent d'ogni età,
v'un che sunava e tucc a cantà!

Mi su no, chi l'è stà, su che m'han purtà là,
dopo un pò insem a lur a brindà.
L'è stà inscì che ho capì quel che el vecc el m'ha dì,
che na vita se dev anca suffrì.

Questa amara realtà la m'ha fa medità,
dal barbun di Navili són turnà.
G'ho pórtà de mangià, dopu avel ringrasià,
e, cumos, a l'hu basà!


Uma noite, por amor desesperado,
fui na Ripa de Porta Ticinese.
Com a neblina era o lugar ideal
para matar-me e livrar-me de um grande peso.

Pouca luz, um silencio mortal,
desço até dois passos do Canal.
Fecho os olhos, faço o sinal da Cruz,
mas do Canal uma voz chega até mim.

Hoi velhaco, olha pra mim, há dez anos que estou aqui
em baixo das pontes, sem uma cama e uma casa.
Pelas mulheres não tenho mais nada, vivo de caridade,
mas é melhor ser um mendigo que morrer.

De uma coisa tenho certeza, está falando um amigo,
quem se mata não vai em Paraíso.
Escuta-me, vai a dormir, és jovem demais para morrer,
não sejas estúpido e lembras de mim.

Sem nem responder fujo embora,
com um frio nos ossos, sentia-me mal.
Mas uma luzinha de uma velha taberna
de longe parecia chamar-me.

Entro rápido, ainda agitado,
bebo um cálice de aguardente e re-tomo fôlego.
O ambiente estava cheio, havia gente de todas as idades,
um cara que tocava e todos a cantar.

Não sei quem foi, só sei que me levaram pra lá,
depois de um pouco estava a brindar com eles.
Foi assim que entendi aquilo que o velho me disse,
que na vida se deve também sofrer.

Esta amarga realidade me fez meditar,
voltei do mendigo do Canal.
Dei comida pra ele, depois de ter agradecido,
e, comovido, o beijei!