Musica Italiana

Dduje Paravise

( Canta: Fausto Cigliano )
( Autores: E. A. Mario - M. Parente - 1928 )

Original em dialeto napolitano Tradução

Duje viecchie prufessure 'e cuncertino,
nu juorno, nun tenevano che fá.
Pigliájeno 'a chitarra e 'o mandulino
e, 'nParaviso, jèttero a suná.

Ttuppe-ttù.... San Pié', arapite!
Ve vulimmo divertí.
Site 'e Napule? Trasite
e facitece sentí.

V'avimm''a fá sentí doje o tre canzone
ca tutt''o Paraviso ha da cantá.
Suspire 'e vase, museca 'e passione,
rrobba ca sulo a Napule se fa.

E 'a sera, 'nParaviso, se cantaje
e tutt''e Sante jèttero a sentí.
'O repertorio nun ferneva maje:
Carmela, 'o Sole mio, Maria Marí'.

Ah, San Pié', chesti ccanzone,
sulo Napule 'e ppò fá.
Arapite stu barcone!
'A vedite 'sta cittá?

E sott''o sole e 'a luna, vuje sentite
sti vvoce, ca só' voce 'e giuventù?
Ma si scennite llá, nun 'o ccredite!
Vuje, 'nParaviso, nun turnate cchiù!

Ma, doppo poco, da 'a malincunía
'e viecchie se sentettero 'e pigliá.
Suffrévano nu poco 'e nustalgía
e, a Napule, vulèttero turná:

Mo, San Pié', si permettite,
nuje v'avimm''a salutá.
Site pazze! Che dicite?
Nun vulite restá ccá?

Nuje simmo 'e nu paese bello e caro
ca tutto tène e nun se fa lassá.
Pusìlleco, Surriento, Marechiaro!
'O Paraviso nuosto è chillu llá!

'O Paraviso nuosto è chillu llá!


Dois velhos professores de orquestrinha,
um dia, não haviam nada a fazer.
Pegaram a guitarra e o bandolim
e, no Paraíso, foram a tocar:

Ttuppe-ttù... São Pedro, abri!
Queremos divertir vocês.
Sois de Nápoles? Entrai
e fazei-nos escutar.

Queremos fazer-vos escutar duas ou três musicas
que todo o Paraíso deve cantar.
Suspiros e beijos, musica e paixão,
coisa que somente a Nápoles se faz

E de noite no Paraíso cantou-se
e todos os Santos foram a ouvir.
O repertório não acabava nunca:
Carmela, 'O sole mio, Maria Marì'.

Ah, São Pedro, estas musicas,
somente Nápoles as pode fazer.
Abri este balcão!
Estais vendo esta cidade?

E sob o sol e a lua, vocês escutais
estas vozes, que são vozes de juventude?
Se vocês desceis lá, não ides acreditar!
Vós, no Paraíso, não voltais mais!

Mas, dai a pouco, pela melancolia
os velhos sentiram-se pegar.
Sofriam um pouco de saudade
e, para Nápoles, quiseram voltar.

Agora, São Pedro, se permitir,
nos temos que nos despedir.
"Estais loucos! O que dizeis?
Não quereis ficar por aqui?

Nós somos de um lugar bonito e querido
que tem tudo e não se deixa abandonar.
Posillipo, Sorrento, Marechiaro!
O Paraíso nosso e aquele lá!

O Paraíso nosso e aquele lá!