Musica Italiana

Come una coppa di Champagne

( Canta: Emilio Pericoli )
( Autores: Borella - Rampoldi - 1926 )

Original em italiano Tradução

Quando io le dicevo:
Non sperare d'avermi come gli altri,
ai tuoi ginocchi.
Coi cuor tu ti compiacci di giocare,
come con dei balocchi,
ma il mio non è per te.

Negli occhi mi fissava e sorrideva
con perfida baldanza femminile.
"Ti voglio, tu mi piaci"- Mi diceva con un languor sottile.
"Tu non mi vuoi. Perchè?"
"Perchè sei strana, crudele e vana".
Le dicevo, le scrivevo:

Come una coppa di Champagne
tu mi puoi dar
la folle ebbrezza che mezz'ora può durar,
mentre il mio cuor cerca l'amore per la vita.
Lasciami star,
facciamola finita!

Voglio una donna tutta mia, anima e cor,
voglio una donna
che mi offra un puro fior.
Tu hai del sole lo splendor,
ma come il sole tu sei di tutti.
Crude parole, ma è cosi, Genny!

Ma sensi e giovinezza
m'han tradito,
e lei era troppo bella, e son caduto.
Un giorno con un bacio m'ha stordito
e mi sentìi perduto,
non resistetti più.

Qual piovra dai tentacoli voraci
in breve alla mia vita s'avvinghiò.
Nei gorghi del piacer, con folli baci,
ella mi trascinò sempre più giù, più giù.
E follemente, perdutamente,
le dicevo, le scrivevo:

Come una coppa di Champagne,
io vivo ben,
tra le tue braccia vò morire di piacer.
Senza di te, non so che farne della vita,
schiavo che son.
Hai vinto la partita!

Ma bada a te di non cherzar
con questo amor,
ti voglio mia, anima e carne, anima e cor.
Tu hai del sole lo splendore
e come il sole tu ne abbisogni.
Folli parole, ma è così, Genny!


Quando eu dizia pra ela:
Não esperar de ter-me como os outros,
de joelho na tua frente.
Com os corações te gabas de brincar,
como se fossem brinquedos,
mas o meu não é para ti.

Nos olhos ela me olhava e sorria
com pérfida segurança feminina.
"Te quero, gosto de ti" - Me dizia com languidez sutil.
"Tu não me queres. Porque?"
"Porque tu és estranhas, cruel e vá".
Eu lhe dizia, lhe escrevia:

Como um cálice de Champanhe,
tu podes dar-me
a louca ebriedade que pode durar meia hora,
enquanto o meu coração busca o amor pela vida.
Deixa-me em paz,
acabamos com isso!

Quero uma mulher toda minha, alma e coração,
quero uma mulher
que me ofereça uma pura flor.
Tu tens o esplendor do sol,
mas como o sol tu és de todos.
Cruas palavras, mas é assim, Genny!

Mas sentidos e juventude
me traíram,
e ela era bonita demais, e caí.
Um dia com um beijo me atordoou
e me senti perdido,
não resisti mais.

Como um polvo com tentáculos vorazes
logo agarrou-se à minha vida.
Nos vórtices do prazer, com beijos loucos,
ela me arrastou sempre mais pra baixo, pra baixo.
E loucamente, perdidamente,
lhe dizia, lhe escrevia:

Como um cálice de Champanhe,
eu vivo bem,
entre os teus braços vou morrer de prazer.
Sem ti, não sei o que fazer da vida,
escravo que sou.
Ganhaste a partida!

Mas ficas atenta a não brincar
com este amor,
te quero minha, alma e carne, alma e coração.
Tu tens o esplendor do sol,
e como o sol tu necessita disso.
Loucas palavras, mas é assim, Genny!