Musica Italiana

Ciccio Formaggio

( Canta: Roberto Murolo )
( Autores: Pisano - Cioffi - 1940 )
( Conhecida também como: "Si mme vulisse bene overamente" )

Original em dialeto napolitano Tradução

Te 'ncuntraje,
te parlaje
e m'innamorai di te.
Mme guardaste,
mme diciste:
"Mi piacete pure a me".

Ma tutt''o bbene ca hê ditto sempe 'e mme vulé,
è na buscía ch'è asciuta 'ncopp''o naso a te.

Si mme vulisse bene overamente,
nun mme facisse 'ncujetá da 'a gente,
nun mme tagliasse 'e pizze d''a paglietta,
nun mme mettisse 'a vrénna 'int''a giacchetta.
Si mme vulisse bene, o mia Luisa,
nun mme tagliasse 'o cuollo d''a cammisa.

Si' na 'nfá', si' na 'nfá', si' na 'nfama.
Te n'abù', te n'abù', te n'abuse,
te n'abuse ca Ciccio Formaggio
nun tene 'o curaggio
nemmeno 'e parlá!

Si sapisse,
si vedisse
dint''o core mio che nc'è,
cumpiatisse,
mme dicisse:
"Puveriello, ma pecché?"

Ma 'ncopp''o core tu nce tiene 'e pile, 'o ssá',
ca nu barbiere nun ce abbasta p''e ttagliá!

Si mme vulisse bene overamente,
nun mme facisse 'ncujetá da 'a gente,
nun mme tirasse 'e pile 'a dint''e rrecchie,
nun mme mettisse 'o dito dint'a ll'uocchie,
nun mme mettisse 'a neve dint''a sacca,
nun mme squagliasse 'ncapa 'a ceralacca!

Si' na 'nfá', si' na 'nfá', si' na 'nfama.
Te n'abù', te n'abù', te n'abuse,
te n'abuse ca Ciccio Formaggio
nun tene 'o curaggio
nemmeno 'e parlá!

L'altro giorno,
ma che scorno!
Vengo a casa e trovo a te
spettinata,
abbracciata
'nziem'a n'ommo. "Bèh! Ched è?"

Mme rispunniste: "Chisto vene a te 'mpara'
comme se vasa quanno po' tu mm'hê 'a spusa'"

Si mme vulisse bene overamente,
nun mme facisse 'ncujetá da 'a gente,
nun mme menasse 'e streppe 'e rafanielle,
nun mme mettisse 'a quaglia 'int''o cappiello,
nun mme facisse stá, pe' n'ora sana,
cu 'a pippa 'mmocca e cu 'a cannela 'mmano!

Si mme vulisse bene overamente,
nun mme facisse 'ncujetá da 'a gente,
nun mme pugnisse areto cu 'o spillone,
nun mme mettisse 'a colla 'int''o cazone,
nun mme screvisse, cu nu piezzo 'e gesso,
aret''o matinè: "Ciccí', si' fesso!"

Si' na 'nfá', si' na 'nfá', si' na 'nfama.
Te n'abù', te n'abù', te n'abuse,
te n'abuse ca Ciccio Formaggio
nun tene 'o curaggio
nemmeno 'e parlá!


Te encontrei,
te falei,
e me apaixonei por ti.
Me olhaste,
me disseste:
"Gosto eu também de ti"

Mas todo o bem que disseste de sentir por mim,
é uma mentira que cresceu no teu nariz.

Se me quisesses bem verdadeiramente,
não me deixarias ser perturbado pelas pessoas,
não me cortarias as pontas da palhinha,
não me colocarias o farelo nos bolsos do casaco.
Se me quisesses bem, oh minha Luisa,
não me cortarias o colarinho da camisa.

És uma infame, és uma infame, és uma infame.
Tu abusas, tu abusas, tu abusas,
tu abusas porque Ciccio Formaggio
não tem a coragem
nem de falar!

Se soubesses,
se visses,
dentro do meu coração o que há,
compadecerias,
me dirias:
"Pobrezinho, mas porque?"

Mas no teu coração há tantos pêlos, sabes,
que um barbeiro não basta para corta-los!

Se me quisesses bem verdadeiramente,
não me deixarias ser perturbado pelas pessoas,
não me arrancarias os pêlos de dentro das orelhas,
não me colocarias o dedo dentro dos olhos,
não me colocarias a neve dentro do bolso,
não me derreterias na cabeça o lacre!

És uma infame, és uma infame, és uma infame.
Tu abusas, tu abusas, tu abusas,
tu abusas porque Ciccio Formaggio
não tem a coragem
nem de falar!

No outro dia,
mas que vergonha!
Chego em casa e te encontro
despenteada,
abraçada
com um homem. "Bem! O que há'?"

Me respondeste: "Isto serve para ensinar-te
como se beija quando depois casarás comigo"

Se me quisesses bem verdadeiramente,
não me deixarias ser perturbado pelas pessoas,
não me tirarias os galhos dos rabanetes,
não me colocarias a coalhada dentro do chapéu,
não me deixarias ficar uma hora inteira
com o cachimbo na boca e com a vela na mão!

Se me quisesses bem verdadeiramente,
não me deixarias ser perturbado pelas pessoas,
não me pungirias atrás com o alfinete de chapéu,
não me colocarias a cola nas calças,
não me escreveria, com um pedaço de giz,
atrás do jornal: "Ciccio, tu és um cretino!"

És uma infame, és uma infame, és uma infame.
Tu abusas, tu abusas, tu abusas,
tu abusas porque Ciccio Formaggio
não tem a coragem
nem de falar!