Musica Italiana

Ciao amore, ciao

( Canta: Luigi Tenco )
( Autor: Luigi Tenco - 1967 )

Esta bela musica foi apresentada no Festival de Sanremo de 1967 e foi a causa do seu trágico fim. De fato a musica classificou-se ao décimo segundo lugar e também na sucessiva repescagem lhe foi preferida a musica "Rivoluzione" de Gianni Pettenati. Tenco, arrasado, fechou-se no seu quarto do Hotel Savoy, onde foi encontrado morto com um furo de projétil na cabeça. Foi encontrado também um bilhete escrito por ele que continha a seguinte mensagem: "Eu amei o publico italiano a quem dediquei inutilmente cinco anos da minha vida. Faço isto não por estar cansado de viver (pelo contrário) mas como gesto de protesto contra um publico que manda "Io tu e le rose" para a final e uma comissão julgadora que seleciona "La rivoluzione". Espero que sirva a esclarecer as idéias de alguém. Tchau. Luigi"

Original em italiano Tradução

La solita strada
bianca come il sale,
il grano da crescere
i campi da arare.
Guardare ogni giorno
se piove o c'e' il sole,
per saper se domani
si vive o si muore.
E un bel giorno dire
basta ... e andare via.

Ciao amore, ciao amore,
ciao amore ciao.
Ciao amore, ciao amore,
ciao amore ciao.


Andare via, lontano
cercare un altro mondo,
dire addio al cortile
andarsene sognando.

E poi mille strade
grigie come il fumo,
in un mondo di luci
sentirsi nessuno.
Saltare cent'anni
in un giorno solo,
dai carri nei campi
agli aerei nel cielo.
E non capirci niente
e aver voglia di tornare da te.

Ciao amore, ciao amore,
ciao amore ciao.
Ciao amore, ciao amore,
ciao amore ciao.


Non saper fare niente
in un mondo che sa tutto,
e non avere un soldo
nemmeno per tornare.

Ciao amore, ciao amore,
ciao amore ciao.
Ciao amore, ciao amore,
ciao amore ciao.



A sólita estrada
branca como o sal,
o grão para crescer
os campos para arar.
Olhar cada dia
se chove ou faz sol,
para saber se amanhã
se vive ou se morre.
E um belo dia dizer
basta ... e ir embora.

Tchau amor, tchau amor,
tchau amor tchau.
Tchau amor, tchau amor,
tchau amor tchau.


Ir embora, longe
buscar um outro mundo,
dizer adeus ao pátio
se ir sonhando.

E após mil estradas
cinzentas como a fumaça,
num mundo de luzes
sentir-se ninguém.
Saltar cem anos
num só dia,
dos carros nos campos
aos aviões no céu.
E não entender nada
e ter vontade de voltar para ti.

Tchau amor, tchau amor,
tchau amor tchau.
Tchau amor, tchau amor,
tchau amor tchau.


Não saber fazer nada
num mundo que sabe tudo,
e não ter um dinheiro
nem mesmo para voltar.

Tchau amor, tchau amor,
tchau amor tchau.
Tchau amor, tchau amor,
tchau amor tchau.