Musica Italiana

Chitarra rossa

( Canta: Mirna Doris )
( Autores: G. Russo - V. Mazzocco - S. Mazzocco - 1970 )

Original em dialeto napolitano Tradução

Sott' 'e llacreme d' 'a luna,
na chitarra rossa 'e vino,
triste e sola se ne va.
Sente 'e palpite d' 'a notte
dint' 'o core mio ca sbatte
e nu nomme vò' chiammá.
Ma ll'ammore mio addó' sta?

Chitarra rossa,
ca 'int'a ll'ombra d' 'a notte passa,
chistu core te corre appriesso
pe' na via ca nun pò spuntá.
Chitarra rossa,
'sta vita mia nun 'a spezzá,
e dincello, ca si mme lassa,
chitarra rossa, mme fa danná.

Mm'arricordo 'e primme vase,
ca 'o cchiù bello suonno 'e spose
ce facevano sunná.
Mo ca nun mme vuó' cchiù bene,
'mpietto, na curona 'e spine,
nott'e ghiuorno aggi' 'a purtá.
E nun saccio cchiù pregá.

Chitarra rossa,
ca 'int'a ll'ombra d' 'a notte passa.

Chitarra rossa,
'sta vita mia nun 'a spezzá.
E dincello, ca si mme lassa,
chitarra rossa, mme fa danná.

Chitarra rossa,
falla turná!


Sob as lagrimas da lua,
uma guitarra vermelha de vinho,
triste e sozinha está indo.
Sente os palpites dá noite
no coração meu que bate
e um nome quer chamar.
Mas o meu amor onde está?

Guitarra vermelha,
que na sombra da noite andas,
este coração te persegue
por uma estrada que não pode aparecer.
Guitarra vermelha,
esta vida minha não despedaçar,
e diz-lhe, que se me deixa,
guitarra vermelha, me faz enlouquecer.

Relembro dos primeiros beijos,
que o mais belo sono de esposos
nos faziam sonhar.
Agora que não mais me quer bem,
no peito, uma coroa de espinhos,
noite e dia, devo carregar.
E não sou mais capaz de orar.

Guitarra vermelha,
que na sombra da noite andas.

Guitarra vermelha,
esta vida minha não despedaçar,
e diz-lhe, que se me deixa,
guitarra vermelha, me faz enlouquecer.

Guitarra vermelha,
faz com que ela volte!