Musica Italiana

Cerchi nell'acqua

( Canta: Memo Remigi )
( Autores: M. Remigi - F. Lai - 1967 )

Original em italiano Tradução

Cominciavi così,
coi tuoi primi perchè,
sulla riva dell'acqua
che cantava per te,
tra i discorsi del vento,
la tranquillità
di un canale tra i campi
e il molino che va.

Era il tuo passatempo,
quando stavi laggiù,
far dei cerchi nell'acqua,
non chiedevi di più.
Oggi invece non senti
quella tranquillità,
devi stringere i denti
per restare in città.

L'ambizione è il tuo credo
e per lei sottostai
alla legge precisa
di non cedere mai.
Ma la riva è lontana,
più di quello che sai,
e i tuoi cerchi nell'acqua
non vi arrivano mai.

Ogni giorno una prova
che vuoi vincere tu,
e la sera ti trova
a non ridere più,
e ti assalgono dubbi
per la vita che fai
e per quello che hai dato
contro quello che hai.

E aspettando un amore
con qualcosa di più,
a far cerchi nell'acqua
non rimani che tu.
È importante però
che tu resti così,
come quella di ieri,
ben lontano di quì.

Coi discorsi del vento
e la tranquillità
di un canale tra i campi
e il molino che va.
Ma la gente che vede
come vivi anche tu,
forse, forse non crede
che sei sempre laggiù.

E la gente sorride
per la vita che fai,
ma i tuoi cerchi nell'acqua
non finiscono mai.
Non finiscono mai!


Começavas assim,
com os teus primeiros porque,
na margem da água
que cantava pra ti,
entre os discursos do vento,
a tranqüilidade
de um canal nos campos
e o moinho que vai.

Era a tua diversão,
quando estavas lá,
fazer círculos na água,
não pedias mais do que isso.
Hoje, ao invés, não sentes
aquela tranqüilidade,
deves apertar os dentes
para ficar na cidade.

A ambição é o teu credo
e pra ela te submetes
à dura lei
de não ceder nunca.
Mas a margem é distante,
mais daquilo que pensas,
e os teus círculos na água
não alcançam-na nunca.

Cada dia é uma prova
que tu queres vencer,
e a noite te encontra
a não rir mais,
e és cheias de duvidas
pela vida que levas
e por aquilo que deste
contra aquilo que tens.

E esperando por um amor
com algo a mais,
a fazer círculos na água
restas somente tu.
És importante porem
que tu permaneças assim,
como aquela de ontem,
bem distante daqui.

Com os discursos do vento
e a tranqüilidade
de um canal nos campos
e o moinho que vai.
Mas as pessoas que vêem
como vives também tu,
talvez, talvez não acredita
que tu estás sempre lá..

E as pessoas sorriem
pela vida que levas,
mas os teus círculos na água
não acabam nunca.
Não acabam nunca!