Musica Italiana

Carmela

( Canta: Sergio Bruni )
( Autores: S. Palomba - S. Bruni - 1975 )

Original em dialeto napolitano Tradução

Stu vico niro nun fernesce maje
e pure 'o sole passa e se ne fuje,
ma tu stai llà, addurosa, presa a''e stelle.
Carmela, Carmè!
Tu chiagne sulo si nisciuno vede
e strille sulo si nisciuno sente,
ma nun' è acqua 'o sanghe dint''e vvene.
Carmela, Carmè!

Si ll' ammore è 'o cuntrario d''a morte,
e tu 'o ssaje,
si rimane surtanto speranza,
e tu 'o ssaje,
nun me può fà aspettà fin'a dimane,
astrigneme 'int''e braccia
pe' stasera.
Carmela, Carmè!

Ma tu stai llà, addurosa, presa a''e stelle.
Carmela, Carmè!

Ma nun' è acqua 'o sanghe dint''e vvene.
Carmela, Carmè!

Si ll' ammore è 'o cuntrario d''a morte,
e tu 'o ssaje,
si rimane surtanto speranza,
e tu 'o ssaje,
nun me può fà aspettà fin'a dimane,
astrigneme 'int''e braccia
pe' stasera.
Carmela, Carmè!

Carmela, Carmè!


Este beco escuro não termina nunca
e também o sol passa e vai embora,
mas tu estás lá, perfumada, presa às estrelas.
Carmela, Carmela!
Tu choras somente se ninguém vê
e gritas somente se ninguém escuta,
mas não é água o sangue nas veias.
Carmela, Carmela!

Se o amor é o contrario da morte,
e tu o sabes,
se sobra somente esperança,
e tu o sabes,
não podes fazer-me esperar até amanha,
aperta-me entre os braços
por esta noite.
Carmela, Carmela!

Mas tu estás lá, perfumada, presa às estrelas.
Carmela, Carmela!!

Mas não é água o sangue nas veias.
Carmela, Carmela!

Se o amor é o contrario da morte,
e tu o sabes,
se sobra somente esperança,
e tu o sabes,
não podes fazer-me esperar até amanha,
aperta-me entre os braços
por esta noite.
Carmela, Carmela!

Carmela, Carmela!