Musica Italiana

Canzone appassiunata

( Canta: Massimo Ranieri )
( Autor: E. A. Mario - 1922 )

Original em dialeto napolitano Tradução

N'albero piccerillo aggiu piantato
criscènnolo cu pena e cu sudore.
Na ventecata giá mme ll'ha spezzato
e tutt''e ffronne cágnano culore.

Cadute só' giá 'e frutte, e tuttuquante
erano doce, e se só' fatte amare.
Ma 'o core dice: "Oje giuvinotto amante,
'e ccose amare, tiénele cchiù care".

E amara comme si', te voglio bene.
Te voglio bene e tu mme faje murí.

Era comm''o canario 'nnammurato,
stu core che cantaje matina e sera.
"Scétate!" dico, e nun vò' stá scetato,
e mo nun canta manco a primmavera.

Chi voglio bene nun mme fa felice,
forse sta 'ncielo, destinato e scritto.
Ma i' penzo ca nu ditto antico dice:
"Nun se cummanna 'o core". E i' mme stó' zitto.

E mme stó' zitto, sí, te voglio bene.
Te voglio bene e tu mme faje murí.

Chiagno p'ammore, e cade 'o chianto mio,
dint'a 'sta testa 'o chianto 'a sta arracquanno.
Schiòppa na bella rosa e i', pe' gulio,
a chi mm'ha fatto chiagnere nce 'a manno.

Lle dico: "rosa mia, tu mme perduone
si te scarpesarrá senza cuscienza".
Ce sta nu ditto ca nce dá ragione:
"Fa' bene e scorda, e si faje male penza".

Pènzace buono, sí, te voglio bene.
Te voglio bene e tu mme faje murí!


Uma arvore pequenina plantei
crescendo-a com pena e com suor.
Uma ventania já a quebrou
e todas as folhas mudam de cor.

Caídos são já os frutos, e todos eles,
que eram doces tornaram-se amargos.
Mas o coração diz: "Oh garotão amante,
as coisa amargas conserva-as mais caras".

E amarga como és, te quero bem.
Te quero bem e tu me faz morrer.

Era como o canário apaixonado
este coração que cantava de manha à noite.
"Acorda", digo, e não quer ficar acordado,
e agora não cante nem na primavera.

Aquela a quem quero bem não me faz feliz,
talvez está no céu destinado e escrito.
Mas eu penso que um ditado antigo diz:
"Não se comanda ao coração". E eu fico calado.

E fico calado, sim, te quero bem.
Te quero bem e tu me faz morrer.

Choro por amor, e cai o pranto meu,
dentro desta cabeça o choro a está regando.
Desabrocha uma bela rosa e eu, por raiva,
a quem me fez chorar a mando.

Lhe digo: "rosa minha, tu me perdoas
se te esmagará sem consciência".
Há um ditado que nos dá razão:
"Faz o bem e esquece, e se faz o mal pensa".

Pensa bem, sim, te quero bem.
Te quero bem e tu me faz morrer!