Musica Italiana

Campane di Monte Nevoso

( Canta: Luciano Tajoli )
( Autores: Cherubini - Concina - 1952 )

Esta musica é ligada à imensa tragédia das italianíssimas terras da Venezia Giulia, Istria e Dalmazia, que nos foram tiradas pelo infame Tratado de Paris. Monte Nevoso se encontra nas Alpi Giulie, quase na encosta daquele que é o verdadeiro confim natural da Itália. Esta musica é dedicada à todos aqueles que defenderam aquelas terras e que não voltaram mais.

Original em italiano Tradução

Campane di Monte Nevoso
che suonate nel vespro divin,
quel suono in un giorno radioso
salutò cento giovani alpin.

Lasciarono il bianco paesello
cento mamme e altrettanti tesor.
Un fior tra la piuma e il cappello
e una dolce canzone nel cuor:

Ritorneremo ancor sui nostri monti
e falceremo il grano al sole.
Berremo l'acqua viva delle fonti
che è pura come il nostro amor.

Campane di Monte Nevoso,
quei rintocchi nel cielo divin
sembravano un grido angoscioso:
"Proteggete i miei giovani alpin".

Tutto fu distrutto ma tu torni a rintoccar
campanil di Monte Nevoso.
Tra le mura lacere c'è sempre un focolar,
cento cuori sempre ad aspettar.

La primavera è tornata,
ha infiorato le valli e i sentieri
che videro partire gli alpini
e non li han visti più ritornare.

Ma ogni cuore aspetta ancora.
Ancora ogni sera
la valle riporta
l'eco di una canzone lontana:


Ritorneremo ancor sui nostri monti
e falceremo il grano al sole.
Berremo l'acqua viva delle fonti
che è pura come il nostro amor.

Campane, col suono giocondo
invocate la pace e l'amor.
Non quella che predica il mondo,
ma la pace che vuole ogni cuor.

Ma la pace che vuole ogni cuor!
Ma la pace che vuole ogni cuor!




Sinos de Monte Nevoso
que tocais na véspera divina,
aquele som num dia radioso
saudou cem jovens alpinos. (**)

Deixaram o branco vilarejo
cem mamães e outro tantos tesouros.
Uma flor entre a pluma e o chapéu
e uma doce canção no coração:

Voltaremos ainda aos nossos montes
e ceifaremos o trigo ao sol.
Tomaremos a água viva das fontes
que é pura como o nosso amor.

Sinos de Monte Nevoso,
aquelas badaladas no céu divino
pareciam um grito de angústia:
"Protejam os meus jovens alpinos".

Tudo foi destruído mas tu voltas a tocar
campanário de Monte Nevoso.
Entre os muros despedaçados há sempre um lar,
cem corações sempre esperando.

A primavera voltou,
encheu de flores os vales e as veredas
que viram partir os alpinos
e não os viram mais voltar.

Mas cada coração espera ainda.
Ainda a cada noite
o vale traz
o eco de uma canção distante:


Voltaremos ainda aos nossos montes
e ceifaremos o trigo ao sol.
Tomaremos a água viva das fontes
que é pura como o nosso amor.

Sinos, com o som alegre
invocai a paz e o amor.
Não aquela que prega o mundo,
mas a paz que quer cada coração.

Mas a paz que quer cada coração!
Mas a paz que quer cada coração!

(**) Tropas de montanha