Musica Italiana

'A luna 'e Napule

( Canta: Pina Cipriani )
( Autores: Bovio - Spagnuolo - 1920 )

Originale in dialetto napoletano Tradução

Oje, luna meza triste e meza allèra,
tu nun si' rrobba 'e ccá, si' rrobba 'e fore.
Te canuscette e fuje na primmavera,
tant'anne fa, quanno, p''a via d''o mare,
giuvinuttiello, mme purtaje ll'ammore.

No, tu nun si' 'e ll'America,
no, tu si' 'a luna 'e Napule.
Mé', párlame 'e Pusilleco,
'o cielo mio che fa?

Ma 'a luna,
'a luna 'e Napule
s'ha cummigliato ll'uocchie cu na nuvola,
senza puté parlá.

Ca si luntano mme purtaje ll'ammore,
'nzuonno, mme sonno tutt''e nnotte 'o mare.
Mare che canta meglio 'e nu tenóre
e canta sempe, da 'a matina â sera.
Mare che è cchiù turchino 'e tutt''e mare.

No, tu nun si' 'e ll'America,
no, tu si' 'a luna 'e Napule.
Mé', párlame 'e Pusilleco,
'o cielo mio che fa?

Ma 'a luna,
'a luna 'e Napule
s'ha cummigliato ll'uocchie cu na nuvola,
senza puté parlá.

E dimme, oje luna: E' vierno o è primmavera?
Dimme: A 'o paese mio se canta ancora?
Lùceno sempe 'e lume p''a Riviera?
"No, ninno mio, ma 'a notte, dint''o scuro,
quacche chitarra va sunanno ancora".

Ma 'a luna,
'a luna 'e Napule
s'ha cummigliato ll'uocchie cu na nuvola,
senza puté parlá.

Senza puté parlá!


Oh, lua meio triste e meio alegre,
tu não és daqui, és de fora.
Te conheci e foi em primavera,
muitos anos atrás, quando, pela via do mar,
ainda jovem, me levou o amor.

Não, tu não és da América,
não, tu és a lua de Nápoles.
Vai, fala-me de Posillipo,
meu céu o que faz?

Mas a lua,
a lua de Nápoles,
se encobriu os olhos com uma nuvem,
sem poder falar.

Também se longe me levou o amor,
dormindo, sonho todas as noites o mar.
Mar que canta melhor de um tenor
e canta sempre, desde a manhã até a noite.
Mar que é o mais azul de todos os mares.

Não, tu não és da América,
não, tu és a lua de Nápoles.
Vai, fala-me de Posillipo,
meu céu o que faz?

Mas a lua,
a lua de Nápoles,
se encobriu os olhos com uma nuvem,
sem poder falar.

E diz-me, oh lua: É inverno ou é primavera?
Diz-me: no meu país se canta ainda?
Brilham sempre os lampiões do beira mar?
"No, meu pequeno, mas à noite, no escuro,
alguma guitarra vai tocando ainda".

Mas a lua,
a lua de Nápoles,
se encobriu os olhos com uma nuvem,
sem poder falar.

Sem poder falar!