Musica Italiana

Agata

( Canta: Massimo Ranieri )
( Autores: G. Cioffi - G. Pisano - 1937 )

Original em dialeto napolitano Tradução

Io mme metto 'o steccadente in bocca
pe' nun fumá.
Nun ce veco e nun mm'accatto 'e llente
pe' sparagná.

Vivo solo col mensile
d'impiegato comunale,
spacco 'a lira e spacco 'o soldo,
spacco pure 'o "duje centè'".

Spacco 'e scarpe e nun m' accatto
pa' te fa' fa' lusso a te
e tu, invece, te la intendi
col padrone di un caffè.

Agata! Tu mi capisci?
Agata! Tu mi tradisci!
Agata! Guarda! Stupisci!
Com'è ridotto quest'uomo per te!

Mm'accattaje nu cappelluccio tuosto
tre anne fa.
E, 'a tre anne, 'o tengo sempe 'ncapa.
Nun c'è che fá.

Stu vestito grigio scuro,
s'è cambiato di colore,
mo s'è fatto verde chiaro.
Era n'abito 'e papá.

E mm'ha ditto 'o cusetore:
"Nun v'o pòzzo arrevutá,
ll'aggio troppo arrevutato.
Ve cunziglio d''o jettá".

Agata! Tu mi capisci?
Agata! Tu mi tradisci!
Agata! Guarda! Stupisci!
Ch'è ridotto quest'uomo per te!

Ho ridotto il pasto giornaliero,
sempre per te.
'A matina, nu bicchiere d'acqua
senza cafè!

Vèngo â casa e nun te trovo,
'o purtiere tene 'a chiave.
- Dov'è andata? -
- A' sala 'e ballo!

Mi commuovo e penzo che
te facive 'a partetella
tutt''e ssere, 'nziem'a me.
Mo mme faccio 'o sulitario,
guardo in cielo e penzo che:

Agata! Tu mi capisci?
Agata! Tu mi tradisci!
Agata! Guarda! Stupisci!
Ch'è ridotto quest'uomo per te!

Agata!
Guarda! Stupisci!
Eh! Stupisci!
Ch'è ridotto quest'uomo per te!

Olé, e' fini'!


Eu coloco o palito na boca
para não fumar.
Não enxergo e não compro os óculos
para poupar.

Vivo somente da mesada
de empregado municipal,
faço atenção ao dinheiro, à moedinha,
faço atenção também aos "dois centavos"

Gasto os sapatos e não os compro
para fazer-te viver no luxo
e tu, ao contrario, tem um caso
com o patrão de um café.

Ágata! Tu me entendes?
Ágata! Tu me trais!
Ágata! Olha! Espanta!
Como é reduzido este homem por ti!

Me comprei este chapéu rígido
três anos atrás.
E há três anos o tenho sempre na cabeça.
Não tem nada a fazer.

Este terno cinza escuro,
mudou de cor,
agora tornou-se verde claro.
Era um terno de papai.

E me disse o alfaiate:
"Não o posso revirar,
Já o revirei demais.
Lhe aconselho de jogar-o fora".

Ágata! Tu me entendes?
Ágata! Tu me trais!
Ágata! Olha! Espanta!
Como é reduzido este homem por ti!

Reduzi o pasto diário,
sempre por ti.
De manhã, um copo de água
sem café!.

Volto pra casa e não te encontro,
o porteiro tem a chave.
- Para onde foi?
- Em discoteca.

Fico triste e penso que
fazias uma partidinha a baralho,
todas as noites, comigo.
Agora faço sozinho um jogo de "paciência",
olho para o céu e penso que:

Ágata! Tu me entendes?
Ágata! Tu me trais!
Ágata! Olha! Espanta!
Como é reduzido este homem por ti!

Ágata!
Olha! Espanta!
Sim! Espanta!
Como é reduzido este homem por ti!

Olé, acabou!