Musica Italiana

Addio mia bella, addio

( Canta: Coro Michele Novaro )
( Autor: Carlo Alberto Bosi - 1848 )
( Canto Patriottico )

Este canto nasceu durante o Ressurgimento Italiano e entrou a fazer parte da tradição popular sendo cantado em todas as guerras que seguiram. Na intenção do autor, para os soldados da época este canto devia servir  para comunicar-se com a Pátria que se amava "como a mãe e a namorada".

Original em italiano Tradução

Addio mia bella, addio,
l'armata se ne va
e se non partissi anch'io
sarebbe una viltà.
E se non partissi anch'io
sarebbe una viltà.

Non pianger, mio tesoro,
forse io ritornerò,
ma se in battaglia muoro
in ciel ti rivedrò.
Ma se in battaglia muoro
in ciel ti rivedrò.

La spada, le pistole,
lo schioppo l'ho con me,
allo spuntar del sole
io partirò da te.
Allo spuntar del sole
io partirò da te.

Il sacco è preparato,
sull'omero mi sta,
sono uomo e son soldato,
viva la Libertà!
Sono uomo e son soldato,
viva la Libertà!

Io non ti lascio sola,
si, ti resta un figlio ancor,
nel figlio ti consola,
nel figlio dell'amor!
Nel figlio ti consola,
nel figlio dell'amor!

Suonò la tromba, addio,
l'armata se ne va.
Un bacio al figlio mio!
Viva la Libertà!
Un bacio al figlio mio!
Viva la Libertà!


Adeus minha bela, adeus,
a armada vai partir
e se não partisse eu também
seria uma cobardia.
E se não partisse eu também
seria uma cobardia.

Não chorar, meu tesouro,
talvez eu voltarei,
mas se na batalha eu morrer,
no céu te reverei.
Ma se na batalha eu morrer,
no céu te reverei.

A espada, as pistolas,
o fuzil, estão comigo,
ao despontar do sol
eu partirei de ti.
Ao despontar do sol
eu partirei de ti.

O saco está preparado,
sobre o meu ombro está,
sou homem e sou soldado,
viva a Liberdade!
Sou homem e sou soldado,
viva a Liberdade!

Eu não te deixo sozinha,
sim, te resta um filho ainda,
no filho te consolas,
no filho do amor!
No filho te consolas,
no filho do amor!

Tocou a corneta, adeus,
a armada vai partir.
Um beijo ao filho meu!
Viva a Liberdade!
Um beijo ao filho meu!
Viva a Liberdade!