Musica Italiana

A casciaforte

( Canta: Massimo Ranieri )
( Autores: Mangione - N. Valente - 1928 )

Original em dialeto napolitano Tradução

Vaco truvanno na casciaforte
e andivinate pe' ne fá che?
Non tengo titoli,
non vivo 'e rendita,
non ci ho un vestito pe' cuollo a me.
Ma 'a cascia mi necessita,
pe' forza ll'aggi''a tené!

Ce aggi''a mettere tutt''e llettere
che m'ha scritto Rosina mia,
nu ritratto formato visita
d''a bonanema 'e zi' Sufia,
nu cierro 'e capille,
nu cuorno 'e curallo
ed il becco del pappagallo
che noi perdemmo nel ventitré.

La la la la la la la la!

Vaco truvanno na casciaforte,
ma a qua' casciere ce 'o vvaco a dí?
Certe reliquie,
cierti cimeli,
si 'e ttiene 'a fore, pònno sparí.
San Casimiro martire,
'sta cascia, famm''a vení!

Ce aggi''a mettere tutt''e llettere
che mm'ha scritto Rosina mia,
na cartella di lire dodici
rilasciata dall'agenzía,
na máneca 'e sicchio,
na crástula 'e specchio,
na corteccia di cacio vecchio
e un fracchesciasso color cakí.

Di di di di di di di di!

Sono ricordi che in casciaforte,
sulo llá dinto, t''e ppuó' astipá.
Quando mi privano
del companatico,
io 'ngótto e zitto senza sferrá
Lo so, la vita è tragica,
ma 'a cascia mme ll'hann''a dá!

Ce aggi''a mettere tutt''e llettere
che m'ha scritto Rosina mia,
il mozzone di una steárica
conficcato nella bugia,
na bambola 'e Miccio,
na lente in astuccio
e una coda di cavalluccio
che mi ricorda la meglio etá.

La la la la la la la la!

E una coda di cavalluccio
che mi ricorda la meglio etá!

Di di di di di di di di!


Estou procurando por uma caixa-forte
e adivinhem para fazer o que?
Não possuo títulos,
não vivo de renda,
não tenho nem um terno para vestir.
Mas dá caixa eu preciso,
por força a devo ter!

Aí devo colocar todas as cartas
que me escreveu Rosinha minha,
um retrato formato visita
dá falecida tia Sofia,
um cacho de cabelos,
um corno de coral
e o bico do papagaio
que nós perdemos no vinte e três.

La la la la la la la la!

Estou procurando por uma caixa-forte,
mas pra qual vendedor vou pedir?
Certas relíquias,
certas preciosidades,
se forem mantidas fora, podem desaparecer.
São Casimiro mártir,
esta caixa, faz com que venha!

Aí devo colocar todas as cartas
que me escreveu Rosinha minha,
uma cartela de doze Reais
expedida pela agencia,
uma asa de um balde,
um caco de um espelho,
uma casca de queijo velho
e um fraque liso de cor caqui.

Di di di di di di di di!

São lembranças que na caixa-forte,
somente aí dentro, podem ser guardadas.
Quando me tiram
o recheio do pão,
eu engulho quieto, sem reclamar.
Eu sei, a vida é trágica,
mas a caixa-forte, eu a devo ter!

Aí devo colocar todas as cartas
que me escreveu Rosinha minha,
o coto de uma vela
preso no castiçal,
uma boneca de Miccio,
uma lente dentro do estojo
e um rabo de cavalinho
que me lembra a melhor idade!

La la la la la la la la!

E um rabo de cavalinho
que me lembra a melhor idade!

Di di di di di di di di!